Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

3º Congresso Nacional da UGT: Palestras focam o Desemprego e a Independência Sindical

A defesa dos empregos e a independência do movimento sindical foram os  temas que dominaram as palestras  do painel  “Trabalho e Desigualdade, o Futuro do Emprego”, realizado na manhã desta quinta feira (18), último dia do  3º Congresso Nacional da UGT.

A jornalista Eliane Cantanhêde, do Estado de S.Paulo,  foi a primeira a falar para a grande plateia de congressistas que compareceu ao auditório do Palácio das Convenções do Anhembi, sede do congresso. Ela foi seguida pelo historiador Marco Antônio Villa, que também integrou a mesa.

Para Cantanhêde, o ex-presidente Lula conseguiu avanços com uma política agressiva de inclusão social, mas fracassou ao não aproveitar os altos índices de popularidade para realizar as reformas que o Brasil precisa, como a política e a fiscal.

A jornalista fez uma análise sobre a conjuntura brasileira passada recente e a atual, de crise, e afirmou que o quadro de taxas de juros altas, de quase 14% ao ano, risco da inflação anual chegar a 9% e a retração da economia tornam preocupante a questão do emprego.

“Era o último bastião (emprego pleno) dos argumentos da Dilma e motivo de orgulho dela para conquistar a reeleição e que começa a cair”. 

A palestrante ressaltou que a taxa de desocupação já está acima de 7% . Em 2014,  ano da reeleição de Dilma, esse percentual era de 5,6%.

Cantanhêde alertou os sindicalistas sobre a necessidade de acompanhar a ideia do governo em reduzir em 30% a jornada de trabalho e os salários trabalhadores como forma de conter o desemprego.

Pela proposta, divulgada em matéria da edição de hoje do Estado de S. Paulo, o plano, batizado de Plano de Proteção ao Emprego, vai consistir na redução da folha salarial de 30% para os empresários, como forma de manter os trabalhadores ameaçados de demissão.

Do outro lado, o  Fundo de Amparo ao Trabalhador irá repor 15% aos trabalhadores afetados e que, na prática, teriam redução de 15% nos seus ganhos.

“O sindicalistas têm que estar atentos a todas essas movimentações. Trata-se de um debate de interesse nacional a questão do emprego”, disse Cantanhêde.

 

INDEPENDENTE

O historiador Marco Antônio Villa disse em sua palestra que os sindicatos têm que ser independentes e lutar pela defesa dos direitos e regras das aposentadorias, que também estão em discussão.

Hoje, foram publicadas em Medida Provisória enviada ao Congresso, regras alternativas à Medida 95/85, com fórmula progressiva.

Segundo Villa, quando olhamos a história do Brasil, temos que ficar indignados, porque os governos só tiram conquistas. Para enfrentar esses ataques aos direitos trabalhistas, Villa afirmou que é necessário garantir a democracia e a independência sindical. 

Ainda na sua palestra, Villa criticou com veemência o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os escândalos aos quais o PT esteve ligado, como o do “Mensalão e o do Petrolão”.

Ele criticou também os super salários pagos principalmente pelo Legislativo e o Judiciário. 

“Uma única senhora recebeu num único mês do Superior Tribunal de Justiça R$ 600 mil. O Tribunal de Justiça de São Paulo tem 1,2 mil veículos”, enumerou.

CLIQUE AQUI PARA VER AS FOTOS DO CONGRESSO.

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br