Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Candidíase é mais comum no verão

A candidíase é uma infecção vaginal causada por um fungo chamado Cândida albicans. Estima-se que todas as mulheres terão candidíase em algum momento de suas vidas, e o verão é a estação em que a infecção ocorre com mais frequência.
A dra. Ana Rosa Fogagnolo Arato, ginecologista e obstetra da Santa Casa de Jahu, explica que os fungos são oportunistas e que o aparecimento da candidíase depende de vários fatores internos e externos
As causas da infecção estão relacionadas a qualquer situação que depõe contra o equilíbrio da flora vaginal, como estresse (que modifica a imunidade com relação à Cândida), alterações hormonais, consumo de doces e leite (que acidificam a vagina), e também fatores externos, como maiôs e biquínis úmidos.
E é no verão que as agressões, principalmente externas, são mais habituais. A umidade constante do biquíni ou maiô após os banhos de piscina ou no mar, por exemplo, dificulta arejar melhor a vagina e propicia a proliferação dos fungos.

A médica esclarece que entre os sintomas mais comuns da candidíase estão a presença de secreção esbranquiçada na calcinha e sensação de coceira ou ardência local.
A candidíase pode ser diagnosticada por exame clínico com o ginecologista e laboratorial por meio da cultura da secreção vaginal.
Após o diagnóstico, o tratamento pode ser realizado por medicação via oral ou via vaginal de antifúngicos. Alguns cuidados devem ser tomados pela paciente, como evitar o consumo de doces e leite e dormir sem roupa íntima. Segundo Ana Rosa, não é necessário tratar o parceiro. A candidíase não é uma doença sexualmente transmissível.
Caso apresente algum dos sintomas citados, procure um médico. E, claro, evite permanecer com o maiô ou biquíni molhado após o mergulho neste verão.

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br