Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Cálculo Aposentadoria
   Convenções Coletivas
   Colônia, Clube e Rancho
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Nossa história começa em 12 de junho de 1979

Data marca o início da Associação, que foi reconhecida como Sindicato no ano seguinte: mais de três décadas de luta contra a pressão patronal

VEJA ALGUMAS IMAGENS (http://www.sindsaudejau.com.br/g_historia.php)

Corria o ano de 1979, o Brasil ainda vivia sob o domínio dos militares e os trabalhadores quase nunca tinham seus direitos resguardados. Era nesse contexto que os trabalhadores da saúde de Jaú resolveram se unir para defender a causa e lutar por benefícios. Era o embrião do que é hoje o Sindsaúde (Sindicato dos Trabalhadores da Saúde de Jaú e Região).
O dia 12 de junho daquele ano é uma data especial. Foi naquele dia que nasceu a Associação dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Jaú e região. A posse dos dirigentes ocorreu no dia 28 de julho, com a presença do então presidente da Federação da categoria, Antonio Wilber Bezerra. Em 25 de novembro de 1980 a associação é elevada à condição de sindicato.

À frente da Associação estava Maria Jerusa de Abreu, técnica de radiologia do Hospital Amaral Carvalho que viria a presidir o Sindicato por mais de três décadas, sempre defendendo a categoria da pressão patronal. Em fevereiro de 2011 assume a presidência do Sindicato a então vice, Edna Alves, que é quem dirige os destinos dos trabalhadores da saúde atualmente. Ao lado dos demais diretores.
Em 1990, quando do décimo adversário do Sindicato, Jerusa publicou um livreto com os direitos dos trabalhadores (Direito do Trabalho ao Alcance de Todos e a Nova Constituição). No livro, cuja contracapa trazia a presidente na Festa da Boneca Viva em celebração ao Dia das Crianças, Jerusa relembrava o início da entidade sindical.

Abaixo, a origem
“Muitos anos se passaram desde o nosso primeiro encontro nos bancos do jardim da Praça da República, na acolhedora e simpática cidade do Jaú, no mês de maio de 1979, no maravilhoso Dia das Mães.
A partir daí, sete mulheres e um homem começaram sua luta pela categoria – Maria Jerusa T. de Abreu, Marta Maria Pontalti Carderan, Ana Lúcia Benevenuto, Maria Izildinha Martins, Maria Aparecida Farias do Nascimento, Maria Aparecida de Fátima Esteves, Maria Conceição Marques Freitas e Pedro César Nogueira de Mello. Todos idealistas e sabedores que o sindicalismo é uma fonte de lutas, de conquistas e também de equilíbrio na relação capital-trabalho
Reuniram-se no dia 12 de junho de 1979 e constituíram, em assembléia, a primeira diretoria, formando assim a associação. Teve apoio do Sindicato dos Metalúrgicos, sob a orientação segura e amiga do então presidente, Osvaldo de Jesus Nadaleto, e do advogado Dr. Agostinho de Oliveira.
No ano seguinte, em 25 de novembro de 1980, nossa associação foi reconhecida como Sindicato pelo ilustre ministro Murilo Macedo. Estendemos o nosso abraço fraterno a todos os companheiros associados que compartilharam permanentemente de nossas idéias e nossas lutas.
Nossa gratidão aos ilustres ex-prefeitos Alfeu Fabris e Octávio Celso Pacheco de Almeida Prado, que muito nos auxiliaram na aquisição do material burocrático, instrumental de trabalho e nas extensões de base, que já levam a assistência de nosso sindicato a 25 cidades da região de Jaú.
Agradecimentos especiais à diretoria de nossa Federação e a todos os sindicatos filiados co-irmãos, na pessoa do ilustre presidente Antonio Wilber Bezerra, pelo constante apoio e participação.
Dificuldades passamos muitas e outras grandes batalhas juntos enfrentaremos, porém, com as superiores bênçãos do Todo Poderoso e a participação efetiva de nossos associados, afirmaremos sempre que o destino do nosso Sindicato foi, é e será eternamente maravilhoso. Pela diretoria, Maria Jerusa T. de Abreu, Presidente”

O FÓRCEPS - O advogado Agostinho de Oliveira, que muito contribuiu para o sucesso do Sindicato, faleceu em 15 de agosto de 1992. Na oportunidade, Jerusa fez uma homenagem ao companheiro na edição 15 do jornal “O FÓRCEPS”, informativo que retrata as ações e lutas dos trabalhadores da saúde.
Um acidente automobilístico vitimou Agostinho, que assessorava vários sindicatos na época. “Foi uma perda lamentável para nós do meio sindical. Ele participou da fundação do Sindicato e me ensinou muito. Com a morte do Dr. Agostinho de Oliveira os trabalhadores da Saúde perdem um grande aliado de suas causas”, falou Maria Jerusa na época,
A manchete daquela edição de “O Fórceps” mostrava Jerusa e o então ministro da Saúde, Adib Jatene, em encontro realizado em Brasília no qual foi discutida a situação de fechamento e interdição do Hospital Thereza Perlatti na 9ª Conferência Nacional da Saúde. Jerusa participou na condição de delegada da Força Sindical, central sindical à qual a entidade jauense era filiada. Hoje, o Sindsaúde é filiado à União Geral dos Trabalhadores (UGT).

INFLAÇÃO ALTA – O sindicalismo brasileiro sofreu muito nos anos 90 com a inflação cada vez maior. Em fevereiro de 1993, por exemplo, a diretoria do sindicato negociou um reajuste de 1.236%, o que equivalia à reposição da inflação pelo INPC de 1992 + 7% de aumento real. Reunião na sede do sindicato trouxe o presidente do Sindhosp, Dante Ancona Montagnana, para fazer a negociação.
Outras conquistas importantes foram obtidas naquela época, como cesta básica, adicional noturno de 40%, adicional de insalubridade. Mas sempre o Sindicato teve de denunciar, protestar e agir para que os patrões cumprissem os acordos coletivos.

ENCONTRO E FESTA – Data de 1993 o 1º Encontro Paulista dos Trabalhadores da Saúde, que chegou à 14ª edição em 2012. O evento é promovido pela Federação dos Trabalhadores da Saúde e sempre discute questões envolvendo a categoria. Mais recentemente, os debates foram em torno da redução da jornada para 30 horas e do piso nacional unificado para a saúde.
Também tiveram início naquela época as festas juninas do sindicato, dedicadas aos trabalhadores da saúde. Hoje, realizadas anualmente no clube de campo, o Recanto da Saúde, área de lazer adquirida pela entidade e transformada num oásis para a categoria em plena rodovia Jaú-Brotas.

“SAÚDE QUER SAÚDE” - Um dos grandes momentos do sindicalismo da saúde ocorreu em 1994, quando a Federação encampou a proposta de campanha salarial unificada em todo o Estado. Representantes de outras regiões vieram a Jaú para debater as cláusulas da campanha.
Foi uma luta, tendo em vista que os patrões ofereceram “zero” de aumento real. Teve até “Estado de Greve”. No fim, houve acordo com reposição inflacionária, ganho real, horas extras e anuênio maiores. Os trabalhadores perderam muito do seu poder de compra na época, até que chegou o Plano Real, conversão de salários pela URV e mais protestos.
A campanha unificada foi realizada em outras datas-bases, mas recentemente as negociações são por sindicato e suas regiões. Em alguns casos, o Sindsaúde se desdobra e promove negociações independentes com hospitais ou Santas Casas.

AÇÕES COLETIVAS – Data de junho de 1994 um momento importante para os trabalhadores do Hospital Thereza Perlatti. CR$ 15 milhões foram repassados pela entidade sindical a cerca de 130 trabalhadores beneficiados por ação coletiva referente à diferença salarial não paga pelo hospital. Ações como essas, defendendo a categoria, foram encampadas várias vezes pelo Sindicato.
As últimas são deste ano, que beneficiam trabalhadores de hospital em Ribeirão Bonito. Do ano de 2011 data uma das maiores ações coletivas – mais de R$ 1,2 milhão teve de ser pago pelo Hospital Amaral Carvalho a centenas de funcionários – o hospital havia descumprido cláusula que fixava jornada menor para a categoria e teve de pagar, anos depois, a diferença reivindicada pelo Sindsaúde.

RECANTO DA SAÚDE – Com uma festa julina em 10 de julho de 1994, a diretoria do Sindicato abriu as portas do Recanto da Saúde para os trabalhadores, que conheceram as benfeitorias feitas no local. A chácara, localizada na rodovia Jaú-Brotas, km 158, é repleta de verde, com piscina, quiosques, parque infantil, campo de futebol, cancha de bocha...
O clube foi adquirido em 1991, com dimensões de 50 metros por 260 metros. Foram três anos de obras no local até sua inauguração. De lá para cá muitas melhorias foram feitas, como nova piscina, vestiários, quiosques, paisagismo, canalização de água de mina e outras. No Dia das Crianças de 1994, o clube foi movimentado novamente com o concurso Boneca Viva, repetindo o ocorrido em 1987.

ESTADO DE GREVE – A chegada do ano de 1995 só tinha uma coisa a comemorar: a regularização da profissão de atendente de enfermagem, ocorrida no fim do ano anterior. A profissão, no entanto, ficaria para trás com novas regulamentações. Hoje, apenas auxiliares e técnicos sobrevivem nos hospitais.
Em termos salariais, em 10 de janeiro uma assembléia da categoria decidiu pelo Estado de Greve como forma de pressionar os patrões por melhores salários. E a greve veio: dez dias, de 31 de janeiro a 9 de fevereiro. A categoria mostrou sua força e se uniu. Após várias negociações, vitória. Teve até audiência em Campinas para selar o acordo.
Na nova reunião estava também Edison Laércio de Oliveira, eleito presidente da Federação dos Trabalhadores da Saúde naquele ano. A jauense Maria Jerusa de Abreu foi eleita tesoureira. Em 2012, os dois continuam na Federação nas mesmas funções, mostrando que o trabalho da entidade tem aprovação da categoria
Em setembro de 1995, Oliveira veio a Jaú para fazer o lançamento do jornal da entidade, o Saúde & Luta, que circula até hoje e pode ser acessado no site da Federação ou via WWW.sindsaudejau.com.br. Em Jaú, “O Fórceps” também avançava, chegando à edição 41 com novo visual e em duas cores.

SEDE PRÓPRIA – Antes de findar 1995, o Sindsaúde efetivou a compra de uma casa para instalar sua sede própria. Com área de 265 metros quadrados, a sede fica na rua Sebastião Ribeiro, 501. A diretoria ampliou as conquistas ao garantir para a categoria um lugar próprio e com condições de abrigar melhor o dia a dia dos profissionais da saúde.
O novo espaço foi aberto em 19 de outubro de 1995. Jerusa e sua diretoria da época receberam dirigentes da Federação e colegas da categoria para o evento. No mesmo ano a Prefeitura de Jaú chegou a publicar edital doando área de 1.500 metros ao Sindsaúde, mas tempos depois revogou a doação, da mesma forma que fez com outras categorias beneficiadas.

FORMAÇÃO DA CATEGORIA – Quando 2001 chegou, a diretoria do Sindsaúde de Jaú e região comemorava o fato de ter proporcionado a cerca de 400 trabalhadores a formação profissional de auxiliar de enfermagem. Os cursos foram realizados de 1996 a 2001, atendendo determinação federal para requalificar os atendentes.
Em 2006, outra iniciativa do Sindsaúde formou centenas de técnicos de enfermagem com desconto, em parceria com o Senac. A qualificação profissional atendeu à legislação que estipulava a migração de auxiliar para técnico de enfermagem.

AVANÇOS - “O FÓRCEPS” também retorna após um período sem circular. No seu retorno, um balanço das atividades ao longo dos últimos anos: cursos de auxiliar de enfermagem, encontro regional de alunos e coordenadores em Jaú, caravana do sindicato em busca da carteira do Coren e a formatura dos alunos. Tudo fez parte da edição 48 do jornal.
A Norma Regulamentadora 32 (NR-32), em vigor desde 2011, teve sua trajetória iniciada mais de uma década antes da aprovação. A proposta foi entregue ao Congresso Nacional no fim de 2003 pela Federação, que completava 30 anos. No ano seguinte o Dia do Trabalhador da Saúde, 12 de maio, passou a ser data reconhecida por lei. Mais um avanço da categoria.
Outro avanço foi a criação do seguro de vida para os associados. Basta ser sócio para ter direito. De lá para cá, o Sindsaúde pagou o benefício a mais de uma dezena de companheiros que faleceram, beneficiando seus familiares – a listagem completa pode ser vista no site do sindicato no link “seguro de vida”.

POLÍTICA – O ano de 2004 colocou o Sindsaúde de Jaú no centro das atenções políticas em Jaú. A realização de um debate inédito entre os candidatos a prefeito colocou os políticos para falar sobre saúde, dando mais subsídios ao eleitor na hora do voto. Foi um momento único, no qual a democracia se fez mais forte.
A presidente do sindicato na época, Maria Jerusa de Abreu, convidou os seis postulantes à Prefeitura, mas um deles não compareceu – Waldemar Bauab (PTB) indicou o candidato a vice, o médico Osvaldo Franceschi Júnior, mas a organização não aceitou. Franceschi viria a ser prefeito de Jaú na eleição de 2008.
Debateram sobre saúde e suas propostas para a área os candidatos Aldemir de Souza, o Purunga (PCO), Jesus de Oliveira Filho (PMN), João Sanzovo Neto (PSDB), José Paulo Toffano (PV) e Sigefredo Griso (PMDB). Quando a eleição chegou ao fim em outubro daquele ano, Sanzovo foi reeleito prefeito.
Na época, a vice-presidente do Sindsaúde era Edna Alves, que assumiu uma das vagas no Conselho Estadual da Saúde, após brilhante trabalho no Conselho Municipal de Saúde. A indicação estadual foi pela Federação dos Trabalhadores da Saúde. Após sair do CMS, Edna voltou recentemente e hoje representa os sindicatos no conselho jauense.

JORNADA ÚNICA – Na negociação salarial de 2006, o Sindsaúde conquistou um benefício inédito em termos de redução de jornada. Obteve seis horas diárias para todos os funcionários dos hospitais filantrópicos, mediante negociação com o Sindhosfil (sindicato patronal). Pessoal de apoio e administração passaram a fazer a mesma jornada semanal dos profissionais da enfermagem.
Essa cláusula pegou alguns hospitais de surpresa. Alguns cumpriram enquanto ela esteve em vigor. Outros enfrentaram a lei e não reduziram a jornada. O Sindicato entrou na Justiça com uma ação coletiva e saiu-se vitorioso. O ponto alto foi o acordo celebrado com o Hospital Amaral Carvalho, beneficiando mais de mil trabalhadores (inativos e ativos) com o ressarcimento de R$ 1,2 milhão. Os valores começaram a ser pagos em 2011 e continuam em 2012.

NOVA FASE – Em fevereiro de 2011, Jerusa entendeu que já tinha cumprido sai missão à frente do Sindsaúde de Jaú. E decidiu se afastar da direção da entidade. A vice, Edna Alves, liderou a chapa concorrente e foi eleita. Desde então, o Sindsaúde está sob a administração dela e dos diretores, muitos deles remanescentes de mandatos anteriores.
São varias as frentes de atuação do Sindsaúde no momento, todas em defesa da categoria. Além das habituais assembléias para definição de Convenção Coletiva, a diretoria está envolvida em projetos maiores, como o que reduz a jornada de trabalho para 30 horas semanais para os trabalhadores da saúde; e o piso nacional unificado para os profissionais do setor.
Edna Alves sabe da importância do contato com a categoria, por isso faz questão de visitar todas as cidades da base para falar com os trabalhadores, promover reuniões e divulgar os jornais do Sindsaúde (O FÓRCEPS) e o da Federação (SAÚDE & LUTA).
Além da publicação impressa, que voltou a circular em setembro de 2012, o Sindicato mantém o site próprio, criando ainda na gestão de Jerusa. Por meio do www.sindsaude.com.br, o trabalhador da categoria se informa sobre o setor, tem acesso às convenções coletivas e acordos, conhece normas que regem a profissão, acompanha as promoções e campanhas e vê fotos de eventos promovidos pelo Sindsaúde. Mais recentemente, o Sindsaúde também pode ser acompanhado pelo Facebook.

 
 
SindSaúde
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br