Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

De 100 trabalhadores, 55 não ficam um ano no emprego, diz Dieese

O Ministério do Trabalho divulgou nesta quarta-feira (17) estudo feito pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) que revela que, de cada 100 trabalhadores, 55 não chegam a completar nem um ano com o mesmo empregador em 2013.

O número cresceu em relação a 2003, quando essa relação era de 42 demitidos para cada 100 trabalhadores. E tem se mantido no atual patamar em 2011 (54,6) e 2012 (55,2).

Para reduzir a rotatividade no mercado de trabalho brasileiro, uma das causas dos gastos crescentes com seguro-desemprego no país, o governo estuda medidas.

Os setores da construção civil, agricultura e call centers, que têm as maiores taxas de rotatividade, vão receber atenção especial de grupos de trabalho do governo, que irão estudar a dinâmica desses setores e avaliar formas de conter a rotatividade.

Uma das medidas estudadas é mudança do regime de registro dos empregados desses setores que naturalmente demitem e contratam com muita frequência.

Segundo Clemente Ganz Lúcio, diretor técnico do Dieese, um trabalhador da construção civil, por exemplo, quando demitido de uma obra já pronta e contratado por outra logo na sequência, não teria seu contrato suspenso. A ideia está sendo avaliada pelo governo, disse.

QUALIFICAÇÃO

Para o ministro Manoel Dias (Trabalho), qualificação profissional é prioridade nesse esforço de reduzir a taxa de rotatividade.

A baixa qualidade dos postos de trabalho justifica a alta taxa no país, diz Lúcio. "Você tem uma cultura e dinâmica de liberdade de demissão, em função de uma dinâmica econômica de baixo valor agregado. Assistentes, ajudantes, serventes geralmente compõem o grosso dos que rodam."

Outros sistemas de proteção ao emprego estão sendo estudados pelo governo. Centrais sindicais estiveram com técnicos do Ministério da Fazenda há algumas semanas para discutir a redução de jornada e salário para evitar demissões em tempos de crise econômica.

A discussão em torno dos gastos em demitir um trabalhador tem ganhado importância neste período de transição.

Em seu esforço de cortar gastos nos próximos anos, o governo tem indicado que redução no pagamento de seguro-desemprego será uma das prioridades.

Fonte: Folha de S.Paulo

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br