Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Cesta básica fica mais cara em 15 capitais

O DIEESE divulgou neste dia 7 os resultados da Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pela instituição em 18 capitais. Esta pesquisa, calcada em parâmetros constitucionais, mensura mensalmente o custo de uma cesta de alimentos com 14 itens básicos.

Em outubro, a Cesta Básica ficou mais cara em 15 das 18 capitais onde a pesquisa é realizada. As maiores altas foram registradas no Rio de Janeiro
(5,86%) e Curitiba (4,80%).

Em outubro, a Cesta Básica teve um aumento de 2,91% no municípios de São
Paulo. Apesar do aumento dos preços dos alimentos básicos, São Paulo perdeu o título de capital com Cesta Básica mais cara para Porto Alegre/RS. A Cesta paulistana custou, em outubro, R$ 321,14. No acumulado do ano, a Cesta da capital paulista acumula alta de 5,33%.

Quatro dos 13 itens da cesta paulistana apresentaram redução de preço: feijão carioquinha (-11,48%), batata (-3,14%), óleo de soja (-1,08%) e arroz agulhinha (-0,83%). Os produtos que  mais encareceram no mês foram: banana nanica (10,75%), tomate (9,40%), carne bovina de primeira (5,57%) e farinha de trigo (3,38%).

Em outubro, para adquirir a Cesta Básica, o trabalhador que recebe um Salário Mínimo precisou gastar 51,48% de seu salário líquido (salário menos impostos) e teve que trabalhar 104 horas e 12 minutos.

A partir dos preços básicos, o DIEESE também apura o Salário Mínimo Necessário, ou seja, a remuneração mínima para que o trabalhador possa suprir os gastos de sua família com alimentação, moradia, educação, vestuário, saúde, transporte, higiene e lazer. Em outubro, o Salário Mínimo Necessário ficou em R$ 2.729,24, ou seja, 4,03 vezes o piso nacional de R$ 678,00.

CLIQUE AQUI E VEJA A NOTA DO DIEESE

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br