Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Casos de dengue explodem no litoral paulista em 2013

FONTE: FOLHA DE SÃO PAULO/SAÚDE NA MÍDIA

Até o dia 15, foram 36 mil ocorrências, muito acima dos registros de 2012

Alto índice deixa em estado de alerta as cidades de Guarujá, São Vicente, Peruíbe, São Sebastião e Ubatuba

O número de casos de dengue nas cidades do litoral paulista explodiu em relação ao ano passado e tem feito as prefeituras adotarem medidas para evitar uma epidemia com a chegada do verão.

Até 15 de novembro, foram registradas 36.470 ocorrências da doença, um salto em relação aos 1.465 casos de todo o ano de 2012.

Sete pessoas já morreram: três em Guarujá e São Vicente e uma em Caraguatatuba.

No litoral sul, Guarujá, São Vicente e Peruíbe estão em estado de alerta, segundo índice do Ministério da Saúde. No norte, o alerta vale para São Sebastião e Ubatuba.

A maioria das iniciativas envolve intensificação das visitas porta a porta, distribuição de material informativo e bloqueio dos criadouros.

"É preocupante passar por uma epidemia durante a temporada. Mas temos estrutura para tentar atender os pacientes da melhor maneira possível", afirma o diretor de Saúde de São Sebastião, Marcos Mathias.

Em Guarujá, onde cinco homens do Exército auxiliaram os agentes de controle no combate ao mosquito em outubro, o discurso é diferente.

"Não temos profissionais, insumos nem medicamentos para atender com excelência o público numa epidemia de dengue na temporada", disse o diretor de Vigilância em Saúde do município, Marco Antonio Conceição.


ALTA TEMPORADA

Segundo Marcos Cyrillo, diretor da Sociedade Brasileira de Infectologia, o verão é mais propício para a proliferação do Aedes aegypti, principalmente em áreas litorâneas, porque as chuvas rápidas e a vegetação atraem as fêmeas, que transmitem o vírus aos seres humanos.

Além disso, parte das casas do litoral é usada apenas em fins de semana e feriados, o que facilita o acúmulo de água em locais que servem de criadouro para o mosquito.

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br