Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Combate ao câncer: cigarro passivo é mais prejudicial a crianças que adultos


Os efeitos do fumo passivo são ainda piores em crianças

Terceira maior causa de morte evitável no mundo, segundo dados publicados no site do Instituto Nacional de Câncer (Inca), subsequente ao tabagismo ativo e ao consumo excessivo de álcool, o consumo passivo de cigarro traz diversos malefícios à saúde. Se em adultos não fumantes que convivem com o cigarro o risco de câncer de pulmão aumenta em 30% e o de infarto do coração em 24% em relação a quem não se expõe à fumaça, nas crianças os efeitos são ainda piores: por terem uma frequência respiratória naturalmente mais elevada, elas são mais atingidas, sofrendo consequências drásticas na saúde, como bronquite e pneumonia, desenvolvimento e exacerbação da asma e infecções do ouvido. Um não fumante que convive com alguém que fuma cerca de 20 cigarros por dia, relata Ricardo Meirelles, pneumologista da Divisão de Controle do Tabagismo do Inca, perde a capacidade pulmonar como se ele próprio fumasse 10 cigarros diariamente. O especialista derruba o mito de que o fumante passivo sofre mais prejuízos que o ativo. “O fumante, na verdade, fuma duas vezes: ao tragar e, depois, ao inalar a fumaça”, explica.

Meirelles conta que mesmo o feto já pode ser considerado um fumante passivo, quando a grávida não abandona o vício do cigarro durante a gestação. Substâncias como a nicotina e o gás carbônico (CO2) prejudicam a oxigenação do sangue e podem causar desde a má formação do feto até um aborto espontâneo. Além disso, os filhos de fumantes adoecem duas vezes mais do que os filhos de não fumantes. O tabagismo também é o principal responsável pela Síndrome da Morte Súbita Infantil – quando o bebê morre subitamente sem causa aparente.

Mesmo com a nitidez dos prejuízos do tabagismo passivo, explicitados por estudos e pesquisas, muitos fumantes não conseguem abandonar o vício. Cleusa Ferri, doutora em Psiquiatria e Psicologia Médica pela USP, lembra que a habilidade em parar de fumar envolve não apenas a consciência e o conhecimento dos malefícios para si e para aqueles à sua volta, mas também outras características pessoais, emocionais e de personalidade. “É muito importante a disponibilidade de serviços de tratamento que o fumante possa acessar”, ressalta Cleusa, que também acredita que as campanhas contra o cigarro estão tendo um sucesso muito grande no Brasil, causando uma importante redução da mortalidade devido ao tabaco.

Como medidas práticas para o controle do fumo passivo, Meirelles defende as leis que proíbem o consumo de cigarros em ambientes fechados. “Não é discriminação contra os fumantes, mas proteção”, enfatiza. O pneumologista diz que fumódromos fechados são muito prejudiciais à saúde, e “seria necessário um exaustor com a força de um tufão para torná-lo um ambiente razoavelmente saudável”. Por isso, os fumódromos devem ficar, obrigatoriamente, na rua. Como consequência da falta de comodidade, revela o médico, muitos fumantes abandonam o vício.

Fonte: Boa Informação / www.combateaocancer.com.br

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br