Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Greve começa com protesto de servidores em Jaú

Em assembleia realizada anteontem, os servidores municipais de Jaú (47 quilômetros de Bauru) decidiram, por 291 votos a 45, rejeitar a terceira contraproposta da prefeitura, que ofereceu reajuste de 6,41% no salário e o mesmo valor no ticket alimentação. Como já estava previsto, os trabalhadores iniciaram a greve ontem, com protesto em frente ao prédio do Executivo. 
 
Acorda Jaú/Facebook
Com cartazes e faixas, servidores municipais de Jaú protestaram em frente à prefeitura ontem
 
Segundo a presidente do Sindicato dos Funcionários da Prefeitura, Autarquias e Empresas Municipais de Jaú (Sinfunpaem), Eliana Aparecida Contarini, a categoria reivindica, além do aumento de 6,41% referente à inflação, mais 4% de valor real no salário e acréscimo de R$ 100,00 no ticket, uma vez que a Câmara concedeu reajuste de 7,68% no salário dos vereadores. 
 
Eliane explica que os 6,41% foram oferecidos pelo prefeito Rafael Agostini (PT) depois que os servidores recusaram as duas contrapropostas anteriores, uma de 1,5% e outra de 3,75% de reajuste salarial. “Estamos solicitando o aumento desde fevereiro. Um descaso”, criticou. 
 
A orientação, de acordo com a presidente do sindicado, é manter 40% dos servidores trabalhando. “A Justiça determina entre 30% e 60%”, pontuou. Ela garante que o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) irá funcionar com 100% do efetivo. Já no setor de coleta de lixo, será mantido 40% dos servidores em atividade. 
 
Protesto 
 
O objetivo do protesto realizado ontem em frente ao prédio do Executivo, além de chamar a atenção da população e governantes local, era montar a comissão de greve e mobilizar funcionários que não comparecem à assembleia anteontem. “O maior empregador de Jaú é a prefeitura. Sem aumento salarial, a cidade quebra”, pontuou Eliane, do Sinfunpaem. 
 
‘Proposta definitiva’
 
Ontem, o secretário de governo Carlos Augusto Peres conversou com o prefeito Rafael Agostini sobre a paralisação dos servidores municipais. Segundo ele, não existe a possibilidade de novas negociações.
 
“Essa é a proposta definitiva dentro do possível orçamentário do município, ou seja, a reposição da inflação no valor de 6,41% referente ao reajuste salarial e ticket alimentação, além de manter o 13º vale”, disse. 
 
Peres observa que o Executivo tem outros compromissos financeiros que inviabilizam o aumento de salário ao funcionalismo público. “Em breve, vamos inaugurar a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA), uma creche, entre outras obras. Precisaremos contratar muitos funcionários.  Sendo assim, é inviável propiciar um aumento maior que esse”, observou.
 
Ele disse que será montada a comissão de greve e, a partir disso, a prefeitura tomará as medidas cabíveis juridicamente.  

http://www.jcnet.com.br/Regional/2015/04/greve-comeca-com-protesto-em-jau.html

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br