Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

LUCY MONTORO: Base alia perda de hospital à gestão do PSDB em SP

Fonte: Comércio do Jahu

Na primeira sessão ordinária após a confirmação de que o Hospital de Reabilitação Lucy Montoro não será construído em Jaú, parte da Câmara opinou ontem que a decisão do governo paulista tem cunho político. Na última sexta-feira, a Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência e Idosos confirmou o recuo do Palácio dos Bandeirantes por causa das pendências que envolvem o terreno doado ao Município.

A Prefeitura alega que o governo passado não registrou o imóvel de 7 mil metros quadrados, que em janeiro de 2012 passou para as mãos da municipalidade. Já aliados do ex-prefeito Osvaldo Franceschi Junior (PV) dizem que o processo prosperaria apenas com a escritura de doação. Diante do impasse, o governo de São Paulo desistiu de construir a unidade em Jaú.

O primeiro a vincular a decisão a prováveis motivos políticos foi Fernando Frederico de Almeida Júnior (PMDB), que lembrou a possibilidade de o hospital ir para Botucatu – governada pelo PSDB. “Interessava ao PSDB dar o Lucy Montoro para uma prefeitura do PT?”, perguntou o legislador, para quem as razões políticas são evidentes.

Na mesma linha foi o líder do governo, Charles Sartori (PMDB), que falou em “revanchismo”. “O PSDB se articula para promover o bem-estar de suas cidades para o pleito e faz uso desta manipulação no hospital.”

O líder do PT, Lucas Flores, cogitou a possibilidade de o governo passado ter esperado o resultado das eleições para dar sequência ao registro do imóvel. “A administração ainda não é dona deste terreno.”
Todos os vereadores da base afirmaram que o prefeito Rafael Agostini (PT) vai insistir na construção do hospital.

Leviano

Os oposicionistas divergiram da hipótese de haver peso político no gesto do governador Geraldo Alckmin (PSDB). Ronaldo Formigão (DEM), por exemplo, citou que o tucano teve expressiva votação em Jaú nas eleições que disputou. Em função disso, não penalizaria a cidade.
“Eu achei a explicação das mais levianas que já escutei aqui. Eu sinto um pesar muito grande em perder um hospital porque não tinha terreno acertado”, manifestou José Aparecido Segura Ruiz (PTB), que também falou sobre o encerramento do Tiro de Guerra a partir de 2014 (leia texto).
A sessão de ontem foi a mais rápida do ano – terminou antes das 20h. A Câmara suprimiu a discussão de requerimentos e a leitura integral dos textos, o que agilizou os trabalhos do Expediente. (João Guilherme D"Arcadia - Comércio do Jahu - Créditos: Tuca Melges )

(ABAIXO, MATÉRIA PUBLICADA NO COMÉRCIO EM 18-03)
Prefeito diz que negociações permanecem

Créditos: Tuca Melges/5.mar.2013

O prefeito Rafael Agostini (PT) afirmou ontem que as tratativas para que o Hospital de Reabilitação Lucy Montoro seja construído em Jaú seguem em andamento. Na sexta-feira, a Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência emitiu nota oficial cancelando a intenção do Estado, anunciada ainda na administração do ex-prefeito Osvaldo Franceschi Junior (PV).

O atual chefe do Executivo manifestou que mantém as negociações e o empenho para manter a unidade em Jaú. Para Agostini, a doação da área de 7 mil metros quadrados onde o prédio seria erguido se deu de forma incompleta na administração passada. Ele contesta a afirmação do governo anterior de que a escritura de doação para a Prefeitura bastaria para que o Município repassasse a área ao Estado.

“Eles não deixaram a matrícula pronta. A transferência não tem valor para efeito de doação e o Estado não vai construir nada sem a matrícula. Existe uma máxima de que ‘só é dono quem registra’”, pontua o prefeito, segundo o qual a Secretaria de Planejamento e Obras requereu a efetiva titularidade do imóvel e aguarda a emissão do registro definitivo. Depois disso o processo segue novamente à Câmara para que a cessão ao Estado seja refeita.

O secretário Alessandro Scudillio afirma que tem em mãos matrícula expedida recentemente pelo Cartório de Imóveis, que dá conta de que até esta data a gleba não pertence ao Município – o que está sendo revertido pela administração.

Para além das pendências burocráticas, o impasse no Lucy Montoro revela alto cunho político na revisão de posicionamento do Estado. Especula-se que o hospital migrará para Botucatu, governada pelo PSDB, que até teria apresentado área com a titularidade em ordem.

Há pouco mais de um ano, em fevereiro de 2012, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) chegou a confirmar em visita a Jaú que o hospital seria construído na cidade. (JGD)

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br