Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Um brasileiro na OMC!


A eleição do diplomata brasileiro Roberto Azevedo para a direção geral da Organização Mundial do Comércio – OMC guarda importância significativa não só para o Brasil, mas para o grupo dos países do Mercosul e dos países emergentes, o chamado BRICs, sigla para Brasil, Rússia, Índia e China.

Além do óbvio sentimento de orgulho por ver na direção da OMC alguém do mundo em desenvolvimento, a escolha de Roberto Azevedo é fundamental para tentar dinamizar os fluxos de comércio mundial, os quais tem se encolhido nos últimos anos em função da prolongada crise financeira na Europa e na América do Norte. Neste ambiente econômico hostil, os chamados países desenvolvidos tem lançado mão de instrumentos protecionistas, tais como tarifas alfandegárias e desvalorização "artificial" de suas moedas para proteger suas economias da competição externa. Esta jogada é altamente prejudicial para as economias emergentes e aí se incluem o BRICs e o Mercosul. Na verdade, o melhor para a economia mundial como um todo, é que o comercio entre os países cresça e não que diminua. É através da intensificação do fluxo comercial que poderemos superar o mal estar da crise e gerar renda, emprego e bem estar social. O desafio de Roberto Azevedo é ajudar a "desatar" este nó!!!

De modo mais particular, o principal interesse do Brasil na vitória de Roberto Azevedo, no momento, é avançar nas negociações da chamada "Rodada de Doha". O objetivo brasileiro nesta negociação é derrubar os subsídios "estratosféricos" que países desenvolvidos (sobretudos os EUA) concedem à sua produção agrícola. Estes "incentivos" artificiais e injustos prejudicam muito a exportação brasileira de gêneros agrícolas como milho, soja, suco de laranja e etanol.

Evidentemente, avançar nestas questões não será tarefa fácil já que existem enormes interesses adversos e estas negociações se arrastam há anos. De todo modo, a eleição de Roberto Azedo ajuda a consolidar a posição brasileira nas disputas do comércio internacional.

LUIZ FERNANDO ALVES ROSA
Economista / Técnico DIEESE
Subseção Federação da Saúde SP

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br