Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

UGT protesta contra projeto da terceirização na Câmara dos Deputados

Dirigentes da União Geral dos Trabalhadores (UGT) e militantes de entidades filiadas,  participaram ontem (14), de ato contra o Projeto de Lei 4330, que amplia a terceirização para todas as áreas de uma empresa.

Os integrantes da mobilização foram impedidos de entrar na Câmara dos Deputados para acompanhar a votação dos destaques ao projeto, que na última semana teve o texto base aprovado por ampla maioria na Casa.

O presidente da UGT DF, Isaú Chacon, que também esteve presente na manifestação, deixa claro que a entidade é contra o PL 4330. “Não aceitamos esse retrocesso, principalmente no que diz respeito as atividades fim e meio. A atividade meio já vinha sendo atingida há muitos anos, e como se não bastasse, o PL atinge agora a atividade meio. Esse sistema vai retalhar a terceirização”, ressalta. Nilson Duarte, presidente da UGT-RJ, também esteve presente ao ato, junto com Gustavo Walfrido, secretario da Juventude da UGT. Nilson destacou que no Rio milhares de trabalhadores são terceirizados e que com a aprovação do projeto 4330 vão passar para o regime de "semi-escravidão". " O projeto como foi aprovado na Câmara leva o trabalhador brasileiro a situação de escravo, com a perda direitos e até mesmo a possibilidade de nunca mais tirar férias", afiormou   

Chacon também relata, com indignação, a proibição de acesso à Câmara e às galerias do Plenário. “É uma frustração muito grande. Não podemos aceitar isso. Essa Casa foi construída com o nosso dinheiro. Estamos vivendo uma ditadura civil, com uma minoria mandando na maioria”. 

Votação

Durante a sessão da tarde de ontem, o Plenário da Câmara dos Deputados retirou do projeto as empresas públicas, as sociedades de economia mista e suas subsidiárias, deixando apenas a iniciativa privada.

A votação de grande parte dos destaques apresentados foi adiada para esta quarta-feira (15), às 14 horas.

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br