Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Presidente da UGT Paulista recomenda investir na representatividade política da saúde


16/11/2015

 

O fato de o trabalhador estar fora do centro do poder leva à precarização dos direitos trabalhistas, segundo Luiz Carlos Motta, que sugere atuar na conscientização dos trabalhadores sobre a necessidade eleger seus próprios representantes.
 
Convidado para debater o tema "Participação política da categoria da saúde nas esferas de poder de decisão no País" no 17º Encontro Paulista da Saúde, o presidente da União Geral dos Trabalhadores Paulista, Luiz Carlos Motta, disse que o trabalhador da saúde "tem de estar onde se tomam as decisões" para que possa preservar os direitos trabalhistas e tentar avançar nas conquistas.
 
Motta fez parte da mesa ao lado do presidente da Federação da Saúde, Edison Laércio de Oliveira, e de três sindicalistas da saúde que foram candidatos. Um deles, Luis Vergara, é vereador em Franca e foi candidato a deputado estadual com apoio da Federação em 2014. Leide Mengatti, presidente do Sinsaúde Campinas, foi candidata a vereadora. E Paulo Pimentel chegou a ser vereador e presidente da Câmara de Santos.
 
Também presidente da Federação dos Empregados no Comércio do Estado São Paulo e suplente de deputado federal pelo PTB, Luiz Carlos Motta sabe que não é fácil eleger representantes de trabalhadores para o Congresso Nacional. E cita números para comprovar a perda de representatividade: são apenas 51 deputados federais ligados à causa dos trabalhadores no atual mandato, ante 83 eleitos em 2010. E o que é pior, segundo ele, é o crescimento do número de parlamentares da classe empresarial.
 
A consequência disso são as perdas trabalhistas, como o veto ao cálculo 85/95 da aposentadoria, o avanço da terceirização no mercado de trabalho e a perda do poder dos sindicatos.
 
"É através da política que as coisas acontecem", afirma o sindicalista, destacando que, desde 2012, a Fecomerciários tem um projeto de eleger representantes: Corrente Comerciária. De 46 candidatos a vereador em 2012, 11 foram eleitos. A tendência é aumentar em 2016. "Hoje já temos mais de 200 políticos nessa corrente".
 
O modelo dos comerciários, segundo Luiz Carlos Motta, pode servir para o setor da saúde. Mas ele vai além, ressaltando que trabalha na UGT para expandir a representatividade de todas as categorias filiadas. "Temos de deixar de ser coadjuvantes na política. Vamos ser protagonistas, participar de decisões e interferir nas questões parlamentares."
 
Precarização - O fato de o trabalhador estar fora do centro do poder leva à precarização dos direitos trabalhistas. O caminho para que a Saúde possa ter seus representantes nas esferas municipal, estadual e nacional é promover a conscientização dos trabalhadores. "Se a gente não ocupar esse espaço, alguém vai ocupar", diz Luiz Carlos Motta, defendendo que os sindicalistas atuem na busca por candidatos afinados com a causa.
Presidente da Federação Paulista da Saúde, Edison Laércio de Oliveira, ressaltou que é preciso que a categoria coloque "gente que tem vontade de lutar e pensar nas pessoas". É preciso pensar no coletivo e "dispensar os individualistas". A Federação, em parceria com a UGT, vai trabalhar para construir candidaturas para 2016 nas cidades onde têm sindicatos filiados.

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br