Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Cálculo Aposentadoria
   Convenções Coletivas
   Colônia, Clube e Rancho
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Apps de saúde vieram para ficar e médicos precisam lidar com isso


Basta navegar rapidamente na loja de aplicativos do seu smartphone para perceber que existem milhares deles voltados para a saúde: orientações sobre nutrição, alertas para ingestão de remédios e até ferramentas que reúnem informações sobre o histórico médico do paciente.

 
O número de downloads cresce: uma pesquisa feita pela Flurry Insights, pertencente ao Yahoo!, mostrou que em seis meses, entre 2013 e 2014, o uso dessas ferramentas aumentou 62%.
 
Para o doutor em bioengenharia da Politécnica de Milão, Enrico Caiani, essa é uma tendência que veio para ficar, pois as ferramentas podem ajudar pacientes a modificarem hábitos e aderirem ao tratamento. "Aplicativos podem ajudar você a manter o cuidado com a sua saúde."
 
Apesar de alguns profissionais começarem a adotar essas ferramentas, falta familiaridade e sobra desconfiança por parte dos médicos na hora de incluir aplicativos no tratamento dos seus pacientes.
 
A restrição em 'prescrever' o uso de aplicativos médicos para seus pacientes está relacionado com a falta de regulação clara dessa tecnologia. No caso do Brasil, o CFM (Conselho Federal de Medicina) confirma que o tema, bastante novo, sequer foi discutido pelo órgão da classe médica.
 
Apps ajudam em diagnóstico e acompanhamento
A partir deste mês, os pacientes que sofrem de fibromialgia –síndrome que causa fortes dores no corpo—terão à disposição um aplicativo que ajuda a monitorar a doença. O FIQr (Questionário de Impacto na Fibromialgia - revisado) traz 21 perguntas que devem ser respondidas semanalmente pelo paciente e são enviadas diretamente para o e-mail do médico.
 
"Assim, o profissional pode medir, em uma escala de 0 a 100, quais os impactos das dores na vida do paciente e se ele está evoluindo bem ao tratamento, já que a questão da dor é bastante subjetiva. O aplicativo é uma tentativa de objetivar a doença", explica o reumatologista Roberto Heymann, um dos responsáveis pela ferramenta.
 
A iniciativa foi criada pela SBR (Sociedade Brasileira de Reumatologia) em parceria com o laboratório Pfizer, e estará disponível na Apple Store.
 
Histórico médico
O diretor da SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia), Carlos Eduardo Suaide Silva, diz que um dos maiores problemas enfrentado pelos cardiologistas clínicos é a não adesão ao tratamento da hipertensão arterial. "Esses aplicativos poderiam ajudar bastante mostrando aos pacientes como está sua pressão, lembrando os horários dos remédios, etc." afirma.
 
O comerciante Eduardo Gonçalves, 58, adotou um aplicativo para ajudar a mão de 84 anos a lembrar os horários dos remédios que ela precisa tomar. O app SaúdeControle reúne também informações clínicas dela, que vão desde o tipo sanguíneo até os exames laboratoriais realizados.
 
Gonçalves conta que conheceu a ferramenta em uma conversa com amigos e começou a testar com o pai, que sofria do Mal de Alzheimer e acabou morrendo no ano passado, após sofrer um acidente doméstico. "Ele foi levado para um hospital público e as informações do aplicativo foram usadas pelo médico da emergência para tratá-lo da melhor maneira", diz.
 
No Brasil, ainda não há regras
Em 2015, o FDA (Food and Drugs Administration) – a Anvisa dos EUA – editou um documento sobre aplicativos de saúde. O órgão regula ferramentas ligadas a doenças que podem colocar em risco a vida dos pacientes. Ou seja, todos os aplicativos que usam "luzes, câmera, vibração e outros recursos para realizar funções de dispositivos médicos", a exemplo do medidor de pressão arterial.
 
Os que podem ter funções médicas, mas que possuem baixo risco à saúde do paciente - como os que ajudam o paciente a parar de fumar, por exemplo -, não são fiscalizados.
 
No Brasil, A Anvisa informa que o tema ainda é novo no país e, por isso, a agência ainda não possui regras específicas para aplicativos dessa natureza. O órgão se restringe a analisar apenas programas ou outros softwares quando associados diretamente a um equipamento de saúde, como os usados para fazer exames diagnósticos.
 
 
Fonte: UOL
 
 
SindSaúde
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br