Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Cálculo Aposentadoria
   Convenções Coletivas
   Colônia, Clube e Rancho
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Botucatu tem primeiro caso de zika vírus


Uma mulher de 56 anos, moradora no Jardim Paraíso, foi infectada na cidade de Cáceres (MT), após viagem feita no final do ano passado

FONTE: JC/BAURU 

O primeiro caso positivo de zika vírus em Botucatu (100 quilômetros de Bauru) foi divulgado nessa terça-feira (26) pela Secretaria de Saúde daquele município. Uma mulher de 56 anos, moradora do Jardim Paraíso, foi infectada na cidade de Cáceres (MT), após viagem feita no fim do ano passado.

Em Bauru, no mesmo dia, também veio a informação que uma grávida de 32 anos moradora do bairro Pousada da Esperança foi contaminda. Ela trabalha no Higienópolis. A gestação é de 21 semanas e o bebê não apresenta anomalias. No caso de Botucatu, de acordo com relatos da própria paciente infectada, os primeiros sintomas da doença surgiram antes mesmo do seu regresso ao município, no início deste mês. Ela não precisou ser internada e se recuperou em menos de uma semana.

De acordo com a Vigilância Ambiental em Saúde (VAS), todas as medidas de investigação epidemiológica já foram tomadas como forma de rastrear possível proliferação da doença. Ainda assim, uma nova busca ativa será realizada no entorno do local onde reside esta primeira paciente de zika no município.

A zika é mais uma doença viral aguda, também transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue. Apesar de ser mais branda que a dengue, há relatos de que o vírus zika esteja relacionado ao aumento de casos de microcefalia, em especial no Nordeste do País.

O zika vírus ainda é uma incógnita. As autoridades de saúde pública ainda não têm dimensão o quanto esta doença pode estar disseminada pelo Brasil. Mas todos estão atuando como sentinelas, alerta o secretário municipal da Saúde, Claudio Lucas Miranda. O médico infectologista e professor da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB), Carlos Magno Fortaleza, destaca que o mais importante para o controle do zika vírus é manter a capacidade de suspeitar e diagnosticar rapidamente pessoas com a doença para que seja possível efetuar o bloqueio, controlar o vetor e evitar a transmissão.

De acordo com o especialista, os sintomas mais comuns causados pelo zika vírus são febre baixa, conjuntivite e muita vermelhidão pelo corpo. “São sintomas que se assemelham aos da dengue, mas de forma mais leve. É diferente da febre chikungunya, que causa inflamação nas articulações e até dificuldade de locomoção, e da própria dengue, que causa dores pelo corpo - mas são mais leves que as da chikungunya”, esclarece.

Em Botucatu, o atendimento primário deve ser feito em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) ou em uma unidade de urgência e emergência. Se houver necessidade, o paciente é encaminhado para avaliação especializada no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB).

Paralelamente, a Prefeitura de Botucatu pretende colocar em prática, no próximo mês de fevereiro, um novo programa voltado a ampliação de serviços de manutenção em bairros da cidade, incluindo um dia apenas para o recolhimento de materiais inservíveis nas residências que possam ser potenciais criadouros de mosquito.  

 
 
SindSaúde
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br