Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Cálculo Aposentadoria
   Convenções Coletivas
   Colônia, Clube e Rancho
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Trabalhadores da saúde aparecem no ranking de profissionais afastados por depressão


Estimativa realizada pela gerência do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) em Campinas mostra que os vigilantes ocupam o primeiro lugar no ranking de profissionais mais afastados das empresas porque desenvolveram doenças psiquiátricas como depressão, ansiedade e transtornos mentais. Logo em seguida aparecem os professores; depois os atendentes de telemarketing e em quarta posição no levantamento estão os trabalhadores da saúde. Entre os meses de janeiro e maio deste ano, 16.989 campineiros receberam benefícios do INSS por incapacidade, sendo que 1.490 casos são relacionados à doenças psiquiátricas. No mesmo período do ano passado, revela o INSS, foram concedidos 15.970 benefí cios e as doenças psiquiátricas foram responsáveis por 1.517 concessões. (Saiba mais no infográfico abaixo). Segundo o gerente-executivo
do INSS em Campinas, Odair Cremasco, não há como mensurar a quantidade e o tipo de afastamento em cada carreira profissional, mas durante os atendimentos diários os técnicos notaram o predomínio dos vigilantes, professores,  atendentes de telemarketing e profissionais da saúde dentro do grupo afastado porque desenvolveu doenças psiquiátricas.
“Para prever o tipo de doença em cada categoria Teríamos que pegar o CNPJ de todas as empresas e é um levantamento quase impossível, mas nos atendimentos do dia a dia conseguimos ter noção dos trabalhadores mais afastados por determinada doença. Os vigilantes ocupam o primeiro lugar entre os casos de depressão”, explica Cremasco.
Para receber auxílio--doença, o trabalhador precisa passar por perícia mé dica e ter a incapacidade comprovada. O valor pago ao profissional varia de acordo com o salário que ele recebe no período em que foi afastado.
Cuidado - Segundo a psicoterapeuta Alina Purvinis, é necessário que os profissionais busquem atividades complementares para aliviar a pressão. “Caminhada, lutas, academia e dança, por exemplo, são exercícios que fazem a pessoa gastar energia e ficar aliviada. É importante ter hobbies e cuidar da saúde”, conta Alina.
Ainda segundo ela, o profissional precisa buscar ajuda médica quando perceber que os transtornos emocionais estão afetando gravemente a rotina.
 
FONTE: HIDAIANA ROSA/METRO CAMPINAS
 
 
 
SindSaúde
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br