Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Diretor nacional das Santas Casas fala em 40 mil demissões no setor


Diretor Geral da CMB, José Luiz Spigolon, visita suas “origens” e fala do quadro atual dos hospitais filantrópicos e da dívida bilionária do setor



Esquerda para direita: Scila P. Carretero (Gerente Administrativa), Antonio Luiz Cremasco (Vice-Provedor), Alcides Bernardi Júnior (Provedor) Dr. Paulo Mattar (médico pediatra) e José Luiz Spigolon (Diretor Geral CMB)

 

A Santa Casa de Jahu recebeu na última segunda-feira, dia 12, a visita do Diretor Geral da CMB - Confederação Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos, José Luiz Spigolon.

O diretor da Confederação começou sua carreira justamente na Santa Casa de Jahu e há algum tempo estava devendo uma visita para a Mesa Administrativa da Irmandade. “Aqui tive momentos agradáveis que não se apagam em minha memória. Temos aqui um grupo de amigos que administram a Santa Casa e é um prazer revê-los”, disse Spigolon.

Com carreira de 38 anos de atuação na saúde, Spigolon classifica o atual cenário como o “pior momento da saúde brasileira dos últimos anos”. Muito se deve as constantes mudanças de ministros da área, pela falta de uma política de continuidade neste segmento, o que agrava diretamente na situação das entidades filantrópicas do país. “São 2.100 instituições filantrópicas no Brasil que acumulam uma dívida de 21 bilhões de reais, sendo R$ 13 bilhões somente de dívidas bancárias, pagando juros da ordem de 18% a 22% ao ano; o que tira cerca de R$ 3 bilhões por ano da assistência à saúde para ser drenado aos bancos”, disse. Estados como Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Rio de Janeiro passam por situações mais críticas, com entidades fechando as portas e demitindo funcionários. “Em 2015 foram 218 hospitais fechados, com o fim de 40 mil postos de trabalho e 11 mil leitos desativados, sem dúvida é uma situação que nos preocupa”, completou o diretor da CMB.

Com a mudança de Governo, a Confederação Nacional das Santas Casas está esperançosa para uma melhora no quadro, “o Ministro da Saúde tem mostrado uma sensibilidade para o problema, mesmo sabendo que não tem dinheiro a mais para investir, mas está fazendo uma busca incessante para conseguir uma eficiência maior na utilização do recurso que tem”, explica José Luiz Spigolon.

O Diretor da CMB, acompanhado do Provedor Alcides Bernardi Júnior e do Vice-Provedor Antonio Luiz Cremasco, visitou instalações da Santa Casa e elogiou a sua condição de atendimento para Jaú e toda região. Em termos financeiros, Spigolon analisa que a regionalização no atendimento não é coberta adequadamente pelo Governo Estadual “A Santa Casa assume um papel, de receber os doentes na sua porta e não pode deixar de atendê-los, só que custos não estão sendo cobertos pelo Governo do Estado, que deveria ser o responsável por essa regionalização. A Santa Casa tem uma condição social elogiável, mas sofre as consequências para manter seu ideal de atender a todos da melhor maneira possível”, disse.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Santa Casa de Jahu

 
 
SindSaúde
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br