Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Diretor nacional das Santas Casas fala em 40 mil demissões no setor


13/09/2016

Diretor Geral da CMB, José Luiz Spigolon, visita suas “origens” e fala do quadro atual dos hospitais filantrópicos e da dívida bilionária do setor



Esquerda para direita: Scila P. Carretero (Gerente Administrativa), Antonio Luiz Cremasco (Vice-Provedor), Alcides Bernardi Júnior (Provedor) Dr. Paulo Mattar (médico pediatra) e José Luiz Spigolon (Diretor Geral CMB)

 

A Santa Casa de Jahu recebeu na última segunda-feira, dia 12, a visita do Diretor Geral da CMB - Confederação Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos, José Luiz Spigolon.

O diretor da Confederação começou sua carreira justamente na Santa Casa de Jahu e há algum tempo estava devendo uma visita para a Mesa Administrativa da Irmandade. “Aqui tive momentos agradáveis que não se apagam em minha memória. Temos aqui um grupo de amigos que administram a Santa Casa e é um prazer revê-los”, disse Spigolon.

Com carreira de 38 anos de atuação na saúde, Spigolon classifica o atual cenário como o “pior momento da saúde brasileira dos últimos anos”. Muito se deve as constantes mudanças de ministros da área, pela falta de uma política de continuidade neste segmento, o que agrava diretamente na situação das entidades filantrópicas do país. “São 2.100 instituições filantrópicas no Brasil que acumulam uma dívida de 21 bilhões de reais, sendo R$ 13 bilhões somente de dívidas bancárias, pagando juros da ordem de 18% a 22% ao ano; o que tira cerca de R$ 3 bilhões por ano da assistência à saúde para ser drenado aos bancos”, disse. Estados como Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Rio de Janeiro passam por situações mais críticas, com entidades fechando as portas e demitindo funcionários. “Em 2015 foram 218 hospitais fechados, com o fim de 40 mil postos de trabalho e 11 mil leitos desativados, sem dúvida é uma situação que nos preocupa”, completou o diretor da CMB.

Com a mudança de Governo, a Confederação Nacional das Santas Casas está esperançosa para uma melhora no quadro, “o Ministro da Saúde tem mostrado uma sensibilidade para o problema, mesmo sabendo que não tem dinheiro a mais para investir, mas está fazendo uma busca incessante para conseguir uma eficiência maior na utilização do recurso que tem”, explica José Luiz Spigolon.

O Diretor da CMB, acompanhado do Provedor Alcides Bernardi Júnior e do Vice-Provedor Antonio Luiz Cremasco, visitou instalações da Santa Casa e elogiou a sua condição de atendimento para Jaú e toda região. Em termos financeiros, Spigolon analisa que a regionalização no atendimento não é coberta adequadamente pelo Governo Estadual “A Santa Casa assume um papel, de receber os doentes na sua porta e não pode deixar de atendê-los, só que custos não estão sendo cobertos pelo Governo do Estado, que deveria ser o responsável por essa regionalização. A Santa Casa tem uma condição social elogiável, mas sofre as consequências para manter seu ideal de atender a todos da melhor maneira possível”, disse.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Santa Casa de Jahu

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br