Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Cálculo Aposentadoria
   Convenções Coletivas
   Colônia, Clube e Rancho
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Mais de 40 mil pedidos de seguro-desemprego têm suspeita de fraude


Mais de 40 mil pedidos de seguro-desemprego são suspeitos de fraude. O Ministério do Trabalho descobriu uma quadrilha que forjava demissões para desviar dinheiro dos trabalhadores.

O sistema que pegou o golpe vai permitir que o seguro-desemprego seja liberado mais rápido.
Hoje é uma burocracia. O trabalhador tem que providenciar uma série de documentos para dar entrada no pedido de seguro-desemprego.
 
A partir do ano que vem, as informações do trabalhador que perdeu o emprego serão encaminhadas automaticamente por quem demitiu para o Ministério do Trabalho – que já vai mandar uma mensagem ao desempregado, informando quando ele vai receber o benefício.
O ano de 2016 terminou com uma notícia ruim para a Júlia. Depois de um ano e meio, ela foi demitida. Trabalhava como empregada doméstica. Mas ela já percebeu que está difícil e por isso decidiu que vai tentar se sustentar a partir de agora como manicure.
“Estava meio insegura. No fim do ano, muita correria. Eu entreguei quase 30 currículos e nada”, contou Júlia Lima.
Nos próximos meses, a Júlia vai se manter com a ajuda do seguro-desemprego.
No ano passado, 7 milhões de trabalhadores que foram demitidos receberam o benefício por até 5 meses.
Mas alguns dos que pediram o seguro, tiveram o pagamento bloqueado por causa de fraudes. E não foram poucos. O Ministério do Trabalho começou a usar um sistema que cruza informações de vários órgãos: INSS, Receita, Caixa Econômica e do próprio ministério.
Encontrou 43 mil pedidos de seguro-desemprego suspeitos. Desses, 7,2 mil já foram bloqueados. Quase R$ 45 milhões deixaram de ser pagos este mês.
O ministério diz que encontrou situações como a de um único trabalhador que fez seis pedidos de benefícios. É como se ele tivesse trabalhado simultaneamente em seis empresas diferentes.
Em outro caso, 280 trabalhadores que pediram o seguro tinham sido dispensados pelo mesmo empregador. E o CNPJ indicava que era uma microempresa. Acontece que microempresas não costumam ter mais que uma dezena de funcionários. O que, de cara, levantou a suspeita.
O governo acredita que os fraudadores fazem parte de grupos organizados, quadrilhas, que serão investigadas pela Polícia Federal. O cruzamento de dados vai continuar e a expectativa é bloquear mais de R$ 1 bilhão este ano.
“Se nós não combatermos as quadrilhas organizadas – que têm o objetivo de fraudar o dinheiro do trabalhador, esses recursos saem da sua finalidade para financiar o crime”, afirmou o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.
Essa mesma tecnologia que ajuda a combater fraudes também deverá ser usada para facilitar a vida de quem não tem nada a ver com o crime e precisa ter acesso ao benefício mais rapidamente.
Hoje, para receber o seguro-desemprego, primeiro o trabalhador tem que agendar uma data para vir até a agência. Ele reúne vários documentos, como a carteira de trabalho, a rescisão de contrato, documentos de identidade e traz na agência. Se estiver tudo certo, daí a um mês ele começa a receber o benefício. Esse processo todo pode levar até uns dois meses. 
O governo estima que até o início do ano que vem, quem for demitido não vai mais precisar pedir o benefício. A informação vai ser transmitida automaticamente, do antigo empregador para o ministério, que vai mandar uma mensagem para o beneficiário informando quando e quanto ele terá o direito de receber.
 
Lembra da Júlia, que perdeu o emprego em dezembro? Ela gostou da ideia. Porque diz que ficou para cima e para baixo atrás dos documentos que faltavam. “É uma correria. Eu peguei quatro ônibus”, contou Júlia Lima.
O ministro do Trabalho disse que o sistema vai buscar mecanismos para evitar novos métodos de fraude que venham ser desenvolvidos pelas quadrilhas.
 
Fonte:G1
 
 
SindSaúde
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br