Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Propostas de sindicalistas contra as reformas finalizam os trabalhos do primeiro dia do workshop


 

Após as explanações dos palestrantes, os trabalhos do dia 21 foram encerrados com discussão e estudos dos sindicalistas. Divididos em cinco grupos, eles apontaram propostas para serem incluídas nas reformas trabalhista e previdenciária, as quais devem ser encaminhadas à Câmara dos Deputados para que sejam avaliadas.

Cada grupo contou com apoio e coordenação de especialistas da Federação, a exemplo de José Marques, assessor jurídico; Raimundo Simão de Melo, consultor jurídico; e Luiz Fernando Rosa, economista do Dieese-subseção Federação.

Entre as sugestões está a realização de abaixo-assinado contra as duas reformas em questão; elaborar cartas de repúdio aos deputados favoráveis às novas regras que acabam com a aposentadoria; realizar audiências públicas nas Câmaras Municipais de todas as cidades que são base de sindicatos filiados à Federação; criar vídeos para informar aos trabalhadores sobre os prejuízos que terão caso as reformas sejam aprovadas; promover encontros regionais com várias categorias para massificar o movimento contra as reformas; promover manifestações de ruas contra a proposta do governo; comparecer a Brasília para pressionar os deputados no dia da votação das PECs; criar ferramentas para que a resistência contra as reformas cheguem à população por meio dos trabalhadores da saúde e pelos sindicatos filiados, entre outras propostas.

O presidente da Federação Paulista da Saúde, Edison Laércio de Oliveira, recebeu as sugestões para serem analisadas sobre a viabilidade de serem colocadas em prática. No entendimento dele, é preciso que esse movimento de resistência e de defesa dos direitos trabalhistas e previdenciários chegue à sociedade, e o canal mais rápido pode ser os próprios trabalhadores da saúde que lidam no dia a dia com o cidadão.

Ele resumiu o que pode acontecer caso a reforma seja aprovada. “Se aprovada na íntegra não teremos mais o instrumento de aposentadoria, somente um instrumento arrecadatório”.

 
 
SindSaúde
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br