Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Especialistas criticam terceirização


 
Profissionais do direito, sindicalistas e representantes patronais de Jaú discutem lei aprovada na Câmara dos Deputados
 
FONTE COMÉRCIO DO JAHU
 
A terceirização de todos os tipos de atividade profissional, conforme estabelece projeto de lei aprovado pela Câmara dos Deputados anteontem, contribuirá para a intensificação da precarização do trabalho.
Esta é a opinião de profissionais do direito que atuam em Jaú e região consultados pela reportagem. Entre as classes representativas, sindicatos dos trabalhadores criticam o projeto, que é elogiado por patrões (veja quadro).
O texto em questão foi enviado ao Congresso pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) em 1998. A proposta já havia sido aprovada pela Câmara, mas sofreu alterações no Senado. Então, o projeto voltou à Câmara, onde aguardava desde 2002 a apreciação final.
Agora, a proposta segue para a análise presidencial – como o governo tem defendido a necessidade de várias reformas, inclusive a trabalhista, a tendência é que Michel Temer (PMDB) sancione a lei.
Se a nova norma entrar em vigor, a terceirização do trabalho em todos os setores das empresas, e também no serviço público (exceção feita a carreiras como auditor e juiz), será liberada.
Na opinião do procurador do Ministério Público do Trabalho (MPT) em Bauru Marcus Vinícius Gonçalves a tendência é que o trabalhador enfrente diminuição de direitos.
“No caso da administração pública, haverá a volta do nepotismo, um retrocesso em relação à Constituição. De qualquer forma, essa lei não rasga a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT)”, salienta.
Críticos da terceirização pontuam que as relações trabalhistas poderão ficar mais conturbadas. Não há garantia de que os terceirizados terão os mesmos direitos a vale-transporte, refeição e salários dos demais.
A proposta também não impede que funcionários contratados sob a CLT, com carteira assinada, sejam demitidos e contratados como pessoas jurídicas (PJs).
Para alguns, haverá facilidade maior em driblar pisos salariais e convenções coletivas. O trabalhador poderá ser registrado numa função e, depois que for terceirizado, atuar em outra.
“As pessoas desempregadas acabarão aceitando salários menores. Empregos poderão ser criados, mas a renda diminuirá. Em longo prazo, será ruim para o comércio”, prevê o advogado trabalhista Paulo Roberto Scatambulo.
Além disso, o caminho judicial para tentar receber valores devidos pelas empresas tende a ficar mais complicado. A responsabilidade da empresa que contratar outra para terceirizar trabalhos será subsidiária. Em outras palavras, isso significa que a empresa contratante só poderá ser acionada quando esgotadas todas as tentativas de acionar, via Justiça, a contratada.
Atividades-fim
Embora atualmente o Brasil não tenha lei que regulamente a terceirização, há decisões da Justiça, as chamadas súmulas, que restringem esse tipo de contratação a profissionais que exercem as atividades-meio, secundárias na empresa, como limpeza, segurança ou tecnologia da informação.
O texto aprovado anteontem estabelece que nas atividades-fim, o principal campo de atuação da firma, a terceirização também será legalizada. Isso significa que escolas e faculdades poderão contratar professores terceirizados ou que lojas poderão terceirizar vendedores, por exemplo.
 
 
SindSaúde
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br