Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Cálculo Aposentadoria
   Convenções Coletivas
   Colônia, Clube e Rancho
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Deficit faz Santa Casa de Jaú reduzir cirurgias eletivas


 
Deficit faz Santa Casa de Jaú reduzir cirurgias eletivas
 
Hospital informa que atende maior fatia do SUS e prioriza atendimento de urgência e internações
 
fonte: comércio do jahu
 
O dado mais atualizado da Secretaria de Saúde de Jaú mostra que mais de 1,9 mil pessoas esperam pela realização de cirurgia eletiva na cidade. O procedimento diz respeito a casos sem urgência, como a cirurgia de catarata, por exemplo (veja quadro).
O Comércio ouviu todos os envolvidos nesse processo para saber os motivos pelos quais a fila é extensa. O maior entrave é relacionado à falta de dinheiro, além da transferência de responsabilidades entre um ente e outro.
Em nota, a Secretaria Estadual da Saúde aponta que a Santa Casa de Jaú, que está sob gestão municipal, é referência para realização de cirurgias eletivas para os 12 municípios da região.
Segundo a pasta, o hospital não estaria cumprindo com suas obrigações. “A Santa Casa deveria realizar, por mês, 85 cirurgias eletivas para moradores de Jaú e região, mas em alguns meses acaba por não realizar procedimento algum, contribuindo para o aumento no tempo de espera dos pacientes eletivos”, afirma a secretaria.
Por sua vez, o hospital jauense alega falta de recursos financeiros para realizar as cirurgias eletivas. A diretora administrativa da Santa Casa de Jaú, Scila Pascoalotte Carretero, diz que a unidade deveria atender a 60% dos pacientes oriundos do Sistema Único de Saúde (SUS), mas atende quase 80%.
Scila reconhece que a Santa Casa não tem cumprido o pactuado com a secretaria estadual, no entanto, relata que a opção foi manter os atendimentos de urgência e emergência e as internações. Conforme a gestora, mensalmente o gasto do hospital fica negativo em R$ 300 mil.
Tabela
O secretário de Saúde de Jaú, Wagner Brasil de Barros, também culpa a falta de dinheiro para a redução das filas. “Os governos federal e estadual precisam encaminhar recursos para a realização das cirurgias”, diz. “Não tem como o Município arcar sozinho com esse custo.”
Recentemente Jaú pleiteou aproximadamente R$ 200 mil do Ministério da Saúde para cirurgias de catarata. O Município espera liberação do dinheiro.
A pasta estadual menciona outro problema para o aumento das filas para a realização de cirurgias eletivas: a defasagem da tabela de pagamento do SUS, que não cobriria os custos reais dos procedimentos.
O Ministério da Saúde, via assessoria de imprensa, aponta que a responsabilidade pela lista de espera é do gestor local. O órgão alega que há recursos específicos, chamados de teto de média e alta complexidade (MAC), que são destinados a Estados e municípios para todos os procedimentos ambulatoriais e hospitalares.
 
 
SindSaúde
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br