Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

SAÚDE PARADA EM BAURU - Audiência de greve da Saúde fica sem acordo


07/04/2017
 
Audiência no TRT em Campinas, ontem, terminou sem conciliação entre funcionários e dirigentes da Famesp
 
fonte: jcnet
 
Terminou sem acordo a audiência de conciliação e instrução entre trabalhadores e Famesp realizada, nessa quinta-feira (6), no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-15) da 15.ª Região, em Campinas. Portanto, a greve segue nos hospitais de Base (HB) e Estadual (HE), na Maternidade Santa Isabel e do Ambulatório Médico de Especialidades (AME).
 
A paralisação começou há exatamente uma semana. Segundo a Famesp, 229 cirurgias eletivas agendadas foram canceladas, 1,9 mil exames laboratoriais e 162 exames gerais deixaram de ser feitos e 121 leitos de internação estavam bloqueados no HB e HE por conta da paralisação, nessa quinta (6).
 
Os funcionários do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos de Enfermagem e Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Bauru e Região (SindSaúde) reivindicam 9% de reajuste, mas a Famesp ofereceu 3% no salário-base, retroativo a janeiro, e 18,58% no vale-alimentação.
 
Na audiência dessa quinta-feira (6), o sindicato voltou a recusar a proposta. A entidade diz que o movimento ganhou adesão nos últimos dias e já chega a 660 trabalhadores parados.
 
A Famesp, por sua vez, contabilizou 399 funcionários ausentes de seus postos de trabalho ontem. O SindSaúde afirma que mantém percentual mínimo de serviço nas unidades. E de 70% em setores como Oncologia e UTI.
 
Já a Fundação diz que, ao longo da semana, setores críticos nas UTIs, teriam ficado com percentuais abaixo do necessário para assistência adequada. "Em determinados setores. o mínimo para garantir a segurança do paciente é 100%, por isso reafirmamos que greve em setor de Saúde não pode ser matemática", afirma, em nota, o diretor presidente da Famesp, Antônio Rugolo Jr.
 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br