Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos Coletivos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Sisnaturcard
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Aprenda como identificar um medicamento falsificado


11/12/2017

Onde você compra os remédios que consome? Escolher farmácias de confiança é uma das maneiras de evitar medicamentos falsificados. De acordo com um estudo da Organização Mundial da Saúde, 10% dos remédios que são vendidos em países em desenvolvimento são falsos. Segundo o órgão, isso é uma ameça que cresce nos últimos anos, pois o comércio farmacêutico é cada vez maior pela internet.

— As pessoas devem exigir da farmácia a nota fiscal e observar a embalagem do produto. A falsificação tem diversos graus, desde a mais rudimentar até a mais sofisticada. Por isso é importante que o consumidor fique atento — alerta Eurico Correia, diretor-médico da Pfizer.
 
A embalagem sempre deve conter um número de registro no Ministério da Saúde (que pode ser consultado pela internet, clique aqui. neste link <sngpc.anvisa.gov.br/ConsultaMedicamento/index.asp>). Além do nome e registro do farmacêutico responsável pela formulação do produto.
 
— Considera-se um remédio falso aquele que possui substâncias com concentração maior ou menor do que o recomendado, ou até mesmo sem o princípio ativo do medicamento — explica Thaís Morais Pereira, farmacêutica da Extrafarma.
 
Prejuízo à saúde e até risco de morte
 
As consequências do uso de um medicamento falso são variadas, pois tudo vai depender do tipo de alteração que o remédio sofreu.
 
— Ao comprar o medicamento, o que se espera é resolver o problema. Mas, pode ser que ele não surta efeito algum ou até piore o quadro de saúde da pessoa que está o consumindo — alerta o farmacêutico Adriano Heleno Ribeiro.
 
A OMS deixou a cargo da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, o estudo dos impactos causados pelo uso de remédios falsos. A instituição calculou que até 72 mil mortes de pneumonia infantil podem ser atribuídas ao consumo de antibióticos cuja concentração das substâncias fundamentais era menor do que o recomendado.
 
Ao consumir um remédio falso, a orientação é procurar imediatamente o médico que o recomendou, para minimizar os riscos de efeitos colaterais. Além disso, faça uma denúncia à Vigilância Sanitária para que seja feita uma inspeção na farmácia.
 
Fonte:EXTRA
 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br