Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos Coletivos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Sisnaturcard
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Carta Aberta à População: "cuidamos de sua saúde e passamos fome"


19/12/2017

O Sindicato da Saúde de Jaú e Região se manifesta com repúdio à atitude de dois dirigentes da Associação Hospitalar Thereza Perlatti (AHTP) que foram à polícia registrar Boletim de Ocorrência contra a greve. Alegam tais administradores que o Sindicato da Saúde de Jaú e Região faz "piquete" e impede que os trabalhadores entrem para o setor. Os representantes da entidade agem de má fé, pois sabem que as adesões à greve são voluntárias e dentro da lei, preservando o atendimento essencial aos pacientes.

Os profissionais da saúde que aderiram à greve e mesmo aqueles que permanecem em seus postos de trabalho, passam seus dias a cuidar da população sem o devido respeito à sua dignidade.

Ao não receberem seus vencimentos na data correta os trabalhadores são humilhados, constrangidos e sofrem danos morais perante à sociedade.

Merecem respeito da sociedade e apoio ao movimento. Trabalham em condições inadequadas, com salários vergonhosos e mesmo assim sempre estão a serviço da saúde do cidadão.

 

Sem piquete e dentro da lei - O Sindicato da Saúde não faz piquete, como  alega o hospital em declaração inverídica à polícia. A greve é pacífica e ordeira. O sindicato respeita a escala essencial de trabalho, prevista em lei, e mantém todos os serviços essenciais do estabelecimento hospitalar.

Por meio de seus diretores, o Sindicato da Saúde orienta os empregados da AHTP e organiza o serviço essencial. Em ofício à presidência do sindicato, o hospital proibiu o Sindicato da Saúde de continuar ajudando os empregados quanto ao cumprimento da escala essencial.

Os representantes dos hospitais, que não cumprem o preceito básico de remunerar corretamente sua equipe, alegam ainda que por causa da greve não está sendo cumprido o mínimo de presença exigida por lei, ou seja, 30%. Temos listas de assinatura que mostram que mais de 50% do efetivo do hospital segue trabalhando.

O Sindicato da Saúde, por sua vez, questiona se a AHTP segue os preceitos estabelecidos pelo Coren no que se refere ao número mínimo de trabalhadores por pacientes atendidos. Cabe ao Conselho Regional da Enfermagem fazer essa fiscalização.

 

Hospital distorce fatos - A AHTP, mesmo sem honrar os pagamentos do salário e do décimo-terceiro dos profissionais da saúde, busca de forma mendaz (mentirosa) distorcer os fatos,  com o único intuito de tornar a greve ilegal.

Todos sabem que o Sindicato da Saúde está mantendo escala de trabalho superior ao que jurisprudência dos Tribunais de Justiça determina. Ocorre que muitos empregados que não aderiram à greve estão faltando, ou porque buscam um emprego digno ou porque seguem determinação do próprio hospital para frustrar o movimento grevista. 

 

Diretoria do Sindicato da Saúde de Jaú e Região

 

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br