Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Seu colega de trabalho pode se matar de repente


 
Suicídio é um dos desfechos mais comuns nos casos de depressão, doença que atinge milhões de brasileiros, incluindo profissionais da saúde
 
A afirmação acima parece assustadora, mas é real, tendo em vista o alto índice de suicídio provocado por causa da depressão. A depressão, aliás, é uma das doenças mais comuns entre trabalhadores do setor da saúde. Muitos colegas sofrem desse mal. E o que é pior: quase nunca encontram tratamento médico dentro do próprio local de trabalho.
Você já deve ter notado entre os colegas alguns com tristeza profunda, pensamentos negativos, baixa auto-estima, isolados, desinteressados no dia a dia, irritados, chorosos.... Tudo isso está na lista de sintomas da depressão. A lista inclui ainda insônia ou sono em excesso e alteração de peso rapidamente.
O ambiente de trabalho, a pressão da chefia ou até de colegas de setor e locais inadequados de trabalho são causas da depressão. Problemas de saúde, questões financeiras, eventos estressantes, traumas, uso de álcool, de drogas também desencadeiam essa doença que mata aos montes por ai.
A Organização Mundial da Saúde diz que esse transtorno mental atinge 350 milhões de pessoas no mundo. No Brasil são 11 milhões. Muitos morrem. Grande parte por meio do suicídio. Depressão e suicídio andam juntos. São em média 32 suicídios por dia no Brasil. Nem mesmo a campanha Setembro Amarelo, que teve início em 2014, está dando jeito nisso.
Vale ressaltar que muitas pessoas doentes não se dão conta disso. É um mal silencioso, as pessoas fogem do assunto, têm medo de pedir ajuda ou desconhecem os sintomas e acham que é “piti”. Os colegas de trabalho ou a família não percebem os sinais de que uma pessoa próxima pode se matar de uma hora para a outra
Quando a pessoa admite que está doente, que tem depressão e procura ajuda, ela encontra outro tormento pela frente. Como se tratar e se curar? Quando passa pelo médico do trabalho no local de trabalho, por causa de um afastamento ou algo parecido, esse médico nem sempre diagnostica a depressão.
Em caso positivo ele não orienta o trabalhador e muito menos indica o tratamento adequado. O médico do trabalho passa o problema para a frente. Para especialistas externos. Profissionais internos do local de trabalho, como psicólogos, tampouco colaboram no tratamento e não dão um suporte clínico. Portanto, o depressivo acaba parando nas filas do serviço público.
Como todos sabem, a busca por especialista no SUS ou por especialistas mantidos pelas Prefeituras é demorada. O agendamento é lento. O atendimento demora para ocorrer. Nesse tempo, a depressão se intensifica, o quadro piora e o suicídio pode se materializar. A depressão mata, gente!. Por isso tem de ser tratada com urgência.
Não adianta apenas o governo fazer campanha de fitinha amarela no peito. Não adianta clínicas, hospitais e estabelecimentos de saúde aderirem à campanha se pouco fazem de fato para ajudar o profissional doente.
O Sindsaúde recebe frequentemente companheiros com sintomas depressivos. Muitas vezes, após uma conversa amiga, eles se abrem e revelam suas angústias e medos. Pronto. Mais um profissional que precisa de ajuda é encaminhado para tratamento.
Você já teve depressão? Já pensou em cometer suicídio? Não tenha medo de se tratar. Saiba que estamos juntos nisso. Procure ajuda o quanto antes. A OMS garante que 90% dos suicídios podem ser prevenidos.
 
Edna Alves é presidente do Sindsaúde de Jaú e Região
 

 
 
SindSaúde
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br