Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Greve na Santa Casa de Bariri: Sindicato da Saúde é impedido de conferir se hospital tem funcionários suficientes nos setores


11/03/2018

Às 12h deste domingo (11/03) funcionários da Santa Casa de Bariri, que pertence`à Organização Social Vitale Saúde, entraram e greve em protesto pelos constantes atrasos no pagamento de salários. Por ser um dia atípico poucos funcionários estão escalados para o plantão, mesmo assim a presidente do Sindicato da Saúde, Edna Alves, foi impedida de adentrar à Santa Casa para conferir se a escala de plantonistas confere com a listagem fornecida pela Vitale.

Edna Alves chegou à Santa Casa no horário previsto para dar início à greve. Funcionários da Vitale já estavam a postos para aderir ao movimento. Parte, porém, continuou no serviço temendo represálias caso saíssem para apoiar o movimento grevista. O Sindicato da Saúde não conseguiu averiguar se a escala mínima de 30% estava sendo cumprida, mas estimava ter mais de 50% nos setores.

Do lado de fora estavam alguns funcionários escalados que saíram para aderir à greve e outros de outros plantões que vieram apoiar o movimento. Mesmo assim, a sindicalista considerou pequena a adesão, tendo em vista que na assembleia e reuniões que definiram pelo Estado de Greve foram mais de 40 a 50 funcionários favoráveis à greve.

SEGURANÇAS NA PORTA - Ao menos três seguranças foram contratados pela Prefeitura de Bariri para impedir o acesso do Sindicato da Saúde à Santa Casa. Também teve segurança da Vitale na portaria do hospital. "Fomos impedidos pela segurança contratada pelo prefeito de entrar na Santa Casa. O Marcos (Pereira, diretor administrativo da Vitale) também disse que é ordem do jurídico da Vitale para o sindicato não entrar no hospital", disse Edna Alves à reportagem da Bariri Rádio Clube.]

Segundo ela, o funcionário grevista teve de ficar na calçada, sem poder acompanhar a movimentação no Pronto Socorro, cujos médicos entraram em greve, levando a Justiça a determinar a Prefeitura para assumir o serviço. De fato, a Prefeitura trouxe médicos de fora para o PS, mas utilizou estrutura e funcionários da Vitale.

Durante a tarde, o secretário de Saúde de Bariri, Mozart Marciano, esteve no local e disse que foi averiguar se o Pronto Socorro estava funcionando. Ele disse que não tem poder para revogar a proibição contra o sindicato, já que foi uma decisão do prefeito. Segundo ele, o Município está resolvendo o problema do Pronto Socorro. Apenas isso.

IRREGULARIDADES? - Sem acesso ao hospital, Edna Alves diz que não pode passar a lista para saber "se tem funcionários suficientes para trabalhar ou se tem algo irregular lá dentro". De posse da escala fornecida pela Vitale, ela questionava se de fato o que estava no papel funciona dentro do hospital. Funcionários teriam informado que alguns setores foram fechados, mas as autoridades da saúde não foram informadas.

"AVitale pagou 30% do salários na quinta-feira e muitos funcionários concordaram com essa miséria. Acabaram não aderindo à greve. Os funcionários esquecem que já estão com quatro meses de salários sendo pagos com atraso. Esses 30%  só foi pago pela Vitale depois que os funcionários declararam Estado de Greve. Antes a Vitale não tinha como pagar nada sem receber o repasse do SUS. Agora, quando foi decidido pela greve, o dinheiro da Vitale apareceu", apontou Edna Alves.

GREVE LEGAL - O diretor Marcos Pereira, da Vitale, falou à Rádio Clube de Bariri que os funcionários devem fazer a greve do lado de fora. "O sindicato não tem autorização para entrar no hospital. Na Santa Casa só entram funcionários que estão de plantão e dentro dos30%", comentou.Ele prometeu fornecer uma lista dos funcionários que estão trabalhando  em cada setor para o sindicato poder acompanhar a escala.

Questionado sobre a greve, Marcos disse que considera "legal" e falou que está respeitando. "É um direito dos trabalhadores."

HISTÓRICO DE ATRASO - Depois que foi decidido pela greve, após três meses de salários sendo pagos com atraso, a Vitale informou que conseguiria pagar 30% até o dia 8 e os outros 70% só quando receber o repasse do SUS. Para abril, prometeu pagar 50% no quinto dia útil. O restante continuaria sendo pago com atraso. A normalização, segundo a Vitale, só ocorreria em maio. Os funcionários não acreditaram na promessa e decidiram cruzar os braços neste domingo.

  

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br