Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Acordo de R$ 36 milhões do Ouro Verde deve sair na sexta


Acordo de R$ 36 milhões do Ouro Verde deve sair na sexta

25/04/2018

 

Os representantes da Prefeitura de Campinas e dos sindicatos dos funcionários do Hospital Ouro Verde vão se reunir mais uma vez no Ministério Público do Trabalho na próxima sexta-feira, às 14h30, para tentar bater o martelo sobre como será feita a rescisão contratual dos trabalhadores da unidade hospitalar.

Pelo acordo, a prefeitura aceitou pagar o passivo das rescisões trabalhistas no valor de R$ 36 milhões, mas fará isso de forma parcelada. A administração propôs  arcar com o montante mensal de R$ 1,5 milhão, dedicado exclusivamente ao pagamento do débito rescisório, no prazo que varia de 18 a 24 meses. “Esperamos que haja um acordo consensual. Caso contrário, vai para a Justiça”, disse o presidente da Rede Mário Gatti, Marcos Pimenta.
 
Nesta reunião, o governo municipal deve entregar para os sindicatos como será feito o desligamentos e substituições dos atuais trabalhadores do Ouro Verde. “Os funcionários são capacitados e já conhecem a rotina do hospital. Por isso, iremos estimular que as empresas terceirizadas assumam os trabalhadores, mas não podemos obrigar”, disse Pimenta. A gestão ficará sob o comando da prefeitura e a operação nas mãos de empresas terceirizadas.
 
Pimenta disse ainda que o Sinsaúde – que representa os funcionários –voltou para a mesa de negociação. Na última reunião, que aconteceu no dia 3 de abril, os representantes do Sinsaúde não tinham aceitado a proposta da prefeitura. “Mas eles pediram para voltar e o MPT aceitou”, disse o presidente da Rede Mário Gatti.
 
A prefeitura informou que vai buscar na Justiça o recebimento referente às verbas rescisórias dos funcionários da Vitale. Dos R$ 36 milhões, parte do passivo é da antiga gestora do hospital, a SPDM.
 
Gestão
 
Em dezembro, a prefeitura reassumiu a gestão do Ouro Verde que estava sob a responsabilidade da Vitale. A mudança se deu após uma investigação do Ministério Público que desmontou um esquema de desvio de verbas públicas na unidade hospitalar. Segundo o MP, os prejuízos somam R$ 4,7 milhões. Dez pessoas estão presas entre elas dois ex-servidores da prefeitura – Ramon Luciano da Silva e Anésio Corat Júnior –  e diretores da Vitale. R
 
Ramon e Anésio são acusados de receber promessa da Vitale, de propina no valor de R$ 1,2 milhão em cinco anos de contrato. Eles teriam recebido parte desse dinheiro, em parcelas de R$ 20 mil mensais. Por ter ensino superior, Corat Júnior foi transferido de Campinas para São Paulo. 
 
Fonte: METRO
 
 
SindSaúde
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br