Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

NA MÍDIA: Atuação do Sindsaúde de Jaú em defesa dos profissionais da Santa Casa de Bariri é notícia no JC Bauru


O Sindicato dos Trabalhadores da Saúde de Jaú e Região (Sindsaúde) foi até a Santa Casa de Bariri (56 quilômetros de Bauru) na manhã desta sexta-feira (29) para orientar os funcionários demitidos sobre os direitos trabalhistas. Após reunião com a diretoria do hospital, ficou definido que o sindicato irá conferir as homologações e acompanhar de perto a dispensa dos profissionais.

Conforme divulgado pelo JC, alegando a necessidade de adequação dos custos à receita mensal, a Santa Casa de Bariri deu início, nesta semana, a um processo de reestruturação do quadro de pessoal. Somente na segunda-feira (25), foram dez demissões. Até ontem, segundo o Sindsaúde, 20 funcionários já haviam sido desligados, número que ainda pode aumentar.

A presidente do sindicato, Edna Alves, disse que as demissões começaram 91 dias depois do fim da greve de março contra atraso no pagamento de salários e lembrou que, na audiência entre Sindsaúde e Santa Casa no TRT-15 em Campinas, houve garantia da estabilidade de emprego aos grevistas de 90 dias. Para ela, as demissões são uma represália ao movimento.

"A maioria dos demitidos é da enfermagem e participou da greve", afirma. Em reunião entre ela, o diretor geral da Santa Casa, Diogo Fernandes, e o diretor administrativo e financeiro, Marcos Pereira, foi definido que o hospital irá encaminhar o cálculo da rescisão para análise do jurídico do Sindsaúde antes de marcar a homologação, onde o sindicato estará presente.

Alves ressalta que a Santa Casa terá de pagar o valor total das verbas na rescisão, incluindo FGTS, multa de 40% sobre o FGTS, horas extras, férias proporcionais, férias vencidas, aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, que pode chegar a 90 dias de aviso para quem tem 20 anos de trabalho, abono proporcional, folgas não pagas pelo feriado da categoria, cesta básica, 1/3 das férias e outros direitos.

DEMISSÕES

De acordo com o diretor-geral do hospital, Diogo Fernandes, os cortes atingem funcionários dos setores administrativo, de apoio e assistencial (enfermagem) e o critério que está sendo levado em conta para as demissões é o financeiro, ou seja, aqueles trabalhadores com maior custo mensal para a Santa Casa.

Apesar da redução no quadro de pessoal, ele garante que o atendimento não será afetado. "A gente procurou chegar em uma escala mínima necessária para que a assistência não seja prejudicada", declara.

O diretor também afirma que o hospital elaborou um plano financeiro para honrar com os custos das verbas rescisórias de todos os demitidos, que inclui a ampliação da receita mensal a médio prazo.

O hospital recebe, por mês, repasse de R$ 215 mil do Sistema Único de Saúde (SUS). Somente com a folha de pagamento, a Santa Casa de Bariri tem um custo mensal de cerca de R$ 220 mil.

ACESSE O SITE DO JC

https://www.jcnet.com.br/Regional/2018/06/sindsaude-acompanha-demissoes-na-santa-casa-de-bariri.html#prettyPhoto

 
 
SindSaúde
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br