Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Presidente da UGT condena reforma trabalhista em audiência no Senado Federal


06/07/2018

 

O presidente nacional da UGT, Ricardo Patah, participou na manhã desta terça-feira (03), da audiência pública da Subcomissão Temporária do Estatuto do Trabalho (CDHET), que aconteceu no Senado Federal, em Brasília.
 
A Subcomissão, que tem vínculo com a Comissão dos Direitos Humanos (CDH), debate a sistematização do novo estatuto.
Patah ressaltou que a aprovação da reforma trabalhista, em vigor desde novembro de 2017, foi extremamente danosa para a classe trabalhadora, pois surgiu com promessa de geração de emprego e renda, mas mostrou-se ineficiente e um retrocesso aos direitos trabalhistas, reconhecendo o popular “bico” e promovendo, de forma legal, o subemprego no País.
 
Outro ponto destacado por Patah referiu-se ao duro golpe contra a organização da classe trabalhadora, ressaltando a importância do movimento sindical não só para os trabalhadores, mas também de uma forma assistencialista  atendendo a população em lacunas deixadas pelo estado.
 
“Nós do Sindicato dos Comerciários de São Paulo desenvolvemos um trabalho muito bonito em parceria com ITAL UIL – Sindicato dos Aposentados da Itália atendendo crianças da comunidade de Vila Dalva, no Rio Pequeno. A UGT nacional desenvolve também um projeto importantíssimo voltada para os índios da Ilha do Bananal, no Tocantins, que sofrem com os altos índices de suicídio e todo esse trabalho também era subsidiado pelo imposto sindical,” explicou o dirigente.
 
Para Ricardo, o movimento sindical precisava passar por mudanças, mas não da forma que fizeram. “Retiraram da noite para o dia a sustentação financeira das entidades, sufocando o movimento. Estávamos dispostos a dialogar e propor mudanças, mas o que fizeram foi tirar as receitas dos sindicatos sem ao menos dar um prazo para adaptação ou um período de transição”.

Fonte: UGT

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br