Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos Coletivos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Sisnaturcard
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Palestrante fala no Seminário da UGT-SP sobre a precariedade do emprego após a reforma


31/07/2018

José Silvestre, do Dieese, diz que 40% dos trabalhadores formais hoje estão na condição de precarizados

Negociações Coletivas Pós-reforma Trabalhista foi o tema central em debate na manhã desta terça-feira, 31 de julho, no Seminário da UGT-SP que acontece até dia 1º de agosto no Centro de Lazer da Fecomerciários em Praia Grande. O primeiro palestrante do dia foi José Silvestre Prado de Oliveira, coordenador de relações sindicais do Dieese, que falou sobre “O Mercado de Trabalho e a Qualidade do Emprego Após a Reforma Trabalhista”.

Silvestre fez um apanhado da crise econômica, do trabalho e do emprego que começou a despontar logo no segundo semestre de 2014. “Nessa época, já havia sinais da crise da economia brasileira, já havia dificuldades, que acabaram se concretizando com mais força em 2016. Em 2017, houve pequena melhora, o PIB cresceu 1%, o que criou um falso otimismo no mercado de crescimento de até 3% em 2018, mas não foi o que vimos”.

Para o coordenador do Dieese, o emprego, que já vinha capengando até 2016, piorou com a entrada em vigor da reforma trabalhista, em novembro de 2017. A mudança na legislação agravou o quadro, trouxe precarizações no mercado de trabalho por conta das novas formas de contratação. O canto da sereia do governo e dos defensores da reforma, “de que ela ia trazer segurança jurídica para as empresas, gerar emprego e fortalecer as negociações coletivas, por conta do negociado sobre o legislado, era tudo balela. Nada disso aconteceu”, disse Silvestre. Segundo ele, os números do mercado de trabalho mostram essa contradição. “Os empregos criados são os de pior qualidade, precarizados, a remuneração é baixa, os direitos não são respeitados. Hoje, 40% dos trabalhadores formais estão na condição de precarizados”.

Os trabalhos mais precarizados estão nos setores do comércio e de serviços, nas regiões Sul e Sudeste, segundo Silvestre. “Muita gente viu os anúncios de emprego logo que a reforma trabalhista entrou em vigor, de R$ 4,00 por hora, nos modelos de trabalho intermitente, e essa é uma realidade hoje”.

“O desafio do movimento sindical é criar condições para defender os trabalhadores e, para isso, é preciso aumentar a representatividade, a sindicalização na base, ter unidade para lutar na defesa das categorias e do custeio sindical. O desafio do Dieese é participar dessa luta ajudando a reestruturar as entidade sindicais”, finalizou o palestrante.

  

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br