Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Centrais sindicais se reúnem com novo ministro do Trabalho


Representantes das maiores centrais sindicais do País tiveram hoje (7) um primeiro encontro com o novo ministro do Trabalho, Caio Vieira de Mello. A reunião foi convocada pelo ministro, com o objetivo conhecer e dialogar com os representantes das entidades. Na ocasião, a CTB, representada pelo vice-presidente Mário Teixeira, discutiu questões emergenciais decorrentes da reforma trabalhista, denunciando a precarização do trabalho promovida pela nova legislação.

"Defendemos a contribuição sindical rural a ser distribuída às centrais sindicais; a contribuição dos não sindicalizados ao sindicato, devido ao efeito "erga omnes" das Convenções Coletivas (ou seja, elas valem para filiados e não filiados). Também entregamos ao ministro o pleito conjunto das centrais. Com relação à Portaria Publicada hoje [na qual o ministério cria um Comitê de Estudos Avançados Sobre o Futuro do Trabalho], pedimos sua revisão, para inclusão do DIEESE e de um representante apresentado pela Centrais, no lugar do representante trabalhista incluído na referida portaria à revelia das entidades", declarou Mário Teixeira.

O dirigente informou ainda que, juntas, as entidades cobraram do ministro a publicação da portaria que vai substituir a atual, 3397/78, que prevê a possibilidade do fornecimento de todas as informações, pela Caixa Econômica e pelo Ministério do Trabalho, sobre a Contribuição Sindical Urbana “identificável”.

Durante o encontro, Mário, que esteve representando a CTB na recém-realizada cúpula dos líderes dos BRICS, na África do Sul, lembrou aos presentes que a próxima reunião do BRICs, em 2019, será no Brasil e sob responsabilidade do Ministério do Trabalho e das centrais sindicais. Em resposta, Vieira de Mello disse que já está discutindo internamente sobre a dotação orçamentária para o evento.

“Esse é o primeiro contanto que estamos tendo com o ministro. Aproveitamos a oportunidade para apresentar barbaridades da chamada reforma trabalhista implementada pelo governo. O resultado prático pode ser verificado com a precarização das relações entre capital e trabalho e o enfraquecimento da representação sindical da classe trabalhadora por meio do corte abrupto do único recurso compulsório que essas entidades dispunham para trabalhar. O novo ministro assume em uma situação espinhosa, com o Ministério do Trabalho devassado pelas investigações da Polícia Federal, simultaneamente a um intervalo de mandato muito curto para sanar problemas de outros ocupantes do cargo. Desejamos a retomada do respeito, do protagonismo, do pragmatismo e, no que for possível, colaborar para o resgate da credibilidade deste Ministério junto a classe trabalhadora”, afirmou José Calixto Ramos, presidente da Nova Central (NCST).

A Confederação Nacional dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB) também esteve representada no encontro. “A importância estratégica da reunião de hoje, lembrando que foi uma iniciativa do próprio ministro, é de grande relevância para a classe trabalhadora e o movimento sindical. Ele tinha uma visão do Ministério do Trabalho somente pela ótica patronal. Pelas primeiras iniciativas e atos, como a portaria publicada na data de hoje, fica nítido que ele agia somente na dimensão do capital. Hoje houve um resultado concreto no sentido de dizer que é impossível tratar das relações de trabalho sem considerar a ótica da classe trabalhadora. O ministro assumiu o compromisso de rever atos recentemente editados, no sentido da inclusão do campo do trabalho no âmbito das negociações junto ao Ministério. A abertura de diálogo com as representações trabalhistas resgata a normalidade tripartite entre governo, patrões e empregados”, avaliou João Domingos, presidente da CSPB.

Fonte:   Portal CTB

 
 
SindSaúde
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br