Jaú   •  
   Página Inicial
   Associe-se
   Atendimentos
   Aniversariantes
   Acordos
   Aviso Prévio
   Recolhimento da Contribuição Sindical
   Convenções Coletivas
   Colônia e Clube
   Código de Ética
   Convênios
   Contribuições Online
   Cursos / Palestras
   Diretoria
   Eventos
   Espião Forceps
   Fale Conosco
   Galeria de Fotos
   História
   Homologação
   Links Úteis
   LEI: Auxiliar x Técnico
   Localize
   Notícias
   Seguro de Vida
   Sindicato Forte
   Telefones Úteis
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Enfermagem: não se cale! Resposta de uma enfermeira


17/09/2015

O texto abaixo foi reproduzido do Facebook do perfil de Elizienne Horvath, que não se conforma com o desrespeito à categoria. O Sindicato da Saúde é solidário à Elizienne e a todos os profissionais da saúde, incluindo auxiliares e técnicos de enfermagem, pessoal de apoio e administração

Por: Elizienne Horvath

Nos últimos dias circulou nas redes sociais esta imagem, com este dizer: “esta ai o motivo de tanta espera nos hospital pouca vergonha” (sic!).
Mesmo não fazendo parte desta situação, mas por ver a minha categoria profissional sendo atacada, resolvi deixar aqui o meu posicionamento e indignação.
Este tipo de publicação advém de uma pessoa que desconhece a realidade do sistema de saúde brasileiro e da rotina da enfermagem. Além do total desconhecimento da norma culta da língua portuguesa, haja vista que nessa simples frase de onze palavras, ele cometeu cinco erros gramaticais, dois de acentuação, um de concordância e dois de pontuação.
A foto, que provavelmente foi publicada sem a autorização das pessoas (o que é um crime!), mostra um grupo de profissionais da saúde entretendo nos celulares. Porém, não traz informações sobre a hora que ela foi tirada, se os profissionais estavam em horário de descanso, de almoço ou jantar, se haviam encerrado o seu plantão, etc.
Todos aqueles que são da área da saúde sabem o tanto que nossa profissão é estressante, pois diariamente lidamos com a “vida humana”, buscamos amenizar a dor e o sofrimento; tentamos de todas as maneiras evitar a morte. E, mesmo com anos de experiência, nos chocamos e até choramos quando ela se torna inevitável.
O descanso é, portanto, vital para nos recompormos como profissionais e como seres humanos para melhor desempenhar a nossa missão de cuidar das pessoas.
E é preciso ressaltar que todos os outros profissionais (o médico, o dentista, o advogado, o engenheiro, o cientista da computação... o pedreiro, o motorista, o marceneiro, etc.) também tem os seus momentos de folga durante o expediente de trabalho. E muitos desses usam esse tempo para “navegar” em seus celulares.
A publicação faz uma generalização da categoria, como se fosse nós, profissionais da saúde, os responsáveis pelos problemas da saúde brasileira, no caso específico pela demora no atendimento nos hospitais. Ela é ideológica, pois inocenta os verdadeiros culpados das mazelas da saúde, ou seja, boa parte dos políticos brasileiros e dos grandes empresários da saúde, que “engordam” seus bolsos, precarizando tanto a saúde pública como a privada.
Nós, profissionais da saúde, não somos os culpados, mas somos também vítimas da atual estrutura da saúde (pública e privada) brasileira, essa que obriga a maioria dos profissionais, devido ao salário aquém de nossas necessidades e formação, trabalhar em dois, três empregos diferentes.
Em razão do sucateamento do sistema, que reduz o número de profissionais nos plantões, muitas vezes, fazemos o trabalho de duas, três pessoas. Além das horas extras que precisamos fazer para cobrir os “buracos” das escalas, a falta de profissionais, entre outros.
Trabalhamos finais de semanas, feriados, dia das mães, dia dos pais, aniversários de casamento, dos filhos, dos pais... Atuamos nas vinte e quatro horas do dia, manhã, tarde, noite e madrugada a dentro. Deixamos nossa família, nossos amigos para cuidar de quem precisa, de quem clama por nossos esforços e dedicação.
E fazemos tudo isso porque amamos nossa profissão. E em especial amamos o ser humano que está sob nossos cuidados. Indistintamente, sem olhar para classe social, etnia, orientação sexual, religião, nacionalidade, idade... Inclusive as pessoas que nos atacam, como quem fez essa publicação.
Portanto, exigimos MAIS RESPEITO, por favor!!

 
 
Sindicato da Saúde Jaú e Região
Rua Sebastião Ribeiro, 501 - CEP 17.201-180 - Centro - Jaú / SP
Fone (14) 3622-4131 - E-mail: sindsaudejau@uol.com.br